quarta-feira, 29 de junho de 2016

DE VOLTA À CASA DA VOVÓ SINISTRA - Luciane Raupp - Atividades para o 6º ano

De volta à casa da Vovó Sinistra (*adaptado)
Luciane Raupp

Os primos João Pedro e Gabriela estavam eufóricos: passariam a noite na casa da avó. Isso, por si só, já seria bom, mas tinha mais: aquela Vovó era a mais radical e sinistra que uma criança poderia ter.

As mães de ambas as crianças chegaram ao mesmo tempo à casa da Vovó. Só as largaram lá e saíram apressadas. João Pedro e Gabriela adentraram juntos aquele lindo e original sobrado roxo com bolinhas amarelas. Logo chamaram:

- Vovó, seus netinhos chegaram! – anunciou Gabriela.

- Vovó, estou com fome de pizza! – avisou João Pedro.

As crianças continuaram chamando pela Vovó, mas nada de ela aparecer. Por onde andaria? Foram andando pela casa. Na chão da cozinha, encontraram o seguinte aviso escrito com sal:

VH   TXLVHUHP   YHU   D   YRYR    GH    QRYR,   
WHUDR   TXH    GHVFREULU   TXHP  HOD  H.
D   SULPHLUD  SLVWD   HVWD   QD   
ERFD   GDTXHLE   TXH   QDR   ODYD   R   SH.

Gabriela resmungou um “era só o que faltava”. João Pedro animou-se: era uma caçada. Mas logo depois pensou alto:

- E se a vovó estiver correndo perigo, prima?

- Tá bom, mas depois eu quero uma fatia a mais da pizza de quatro queijos – disse a menina, disfarçando a preocupação. – Por onde começamos?

- Quem é que não lava o pé? O sapo, naquela música boba. Mas onde tem sapo aqui?

Gabriela apontou para cima: em uma prateleira alta, havia uma coleção de sapos. Sapos de barro, de porcelana, de ferro, de vidro, de cristal...

Com ajuda de uma escada, João Pedro examinou a coleção. Na boca de um sapo, havia um papelzinho enrolado. Dentro dele, estava escrito o seguinte:

TXHP  H  D  DYR  YRFHV   SUHFLVDP  VDEHU
H   GH    VHXV   JRVWRV   GHYHP HQWHQGHU
RXFDP   D   PXVLFD   OLKGD   GH   GRHU
XPD   EUDVD, PRUD, GH  EQORXTXHFHU.


- Vamos fuçar naqueles discos da vovó – sugeriu João Pedro.

- Aqueles que ela chama de Vinícius? – perguntou Gabriela.

João Pedro teve um acesso de riso: não era Vinícius. Era vinil. A vó também chamava de bolachões. O que a dupla não entendeu era onde entrava a brasa e onde ela morava.

Junto aos discos – do Roberto Carlos, da Vanderleia, do Renato e seus Blue Caps, entre outros –, havia uma caixa de madeira, fechada com um cadeado de combinação de números. Nele, havia uma etiqueta colada, na qual se lia: 
D  VHQKD   H   R   DQR   GH   QDVFLPHQWR  GD   YRYR.

E agora? Como descobrir? João Pedro teve uma ideia:

- Prima, com que idade as meninas casam e têm bebês?

- Na idade que quiserem, ué. Que pergunta mais boba.

- Tá, mas mais ou menos...

Discutiram, discutiram. Chegaram à conclusão de que, se as mães os tiveram com cerca de 30 anos, e agora a mais velha delas tinha 40... 30 mais 40 é igual a 70. Se a avó tinha 70, a conta era 2016 menos 70, o que dava... 1946. Colocaram o número. Não deu certo. Tentaram 1945. O cadeado abriu.

Dentro da caixa, havia uma coisa muito esquisita, de plástico, retangular, com dois furos pelos quais passava uma espécie de fita marrom. Era mais ou menos assim:
Ilustração de fita K7 com a escrita: “ouça-me se for capaz”.

Como ouvir aquilo? Gabriela balançou o objeto, colocou perto do ouvido. Deveria haver um aparelho para encaixar aqueles dois buracos. Mas onde?

- Que tal aquele? —perguntou João Pedro, apontando para um aparelho retangular com uma tampa móvel. — Tem uma tecla escrito “play”.

Abriram a tampa, fizeram os devidos encaixes e apertaram o play. Do aparelho saiu a voz 
nada melodiosa da avó, que cantava:

QHWLQKRV   TXHULGRV, GR  PHX   FOUDGDR,
D  SURALPD   SLVWD   HVWD   QR  SRUDR
H  GH   LOXPLQDU
FXLGDGR  SDUD  QDR   LQFHQGLDU
QDR   H   ODPDGD,  QDR  H  GD   FLGDGH,
H   GH   TXHURVHQH,  QDR   GH   HOHWULFLGDGH.

E o medo de ir àquele porão? O que se faria com ele? De conta que não existia, ué! As crianças desceram ao porão, mas, claro, ligaram as luzes. Eram tantas coisas diferentes lá: até identificaram uma máquina de escrever, igual à que viram no museu naquela visita com a escola. Mas o que seria aquele objeto de iluminar? Gabriela não tinha certeza, mas só poderia ser aquele de vidro, já que tinha um papel roxo dentro dele. Bingo: acharam mais uma pista, que, em letras prateadas, dizia:

VODFNV,  EULP   FRULQJDV,   MDSRQDV:
VR   RV    QRPHV   H   TXH    VDR   FDIRQDV.
EDWD, UHGLQJRWH, FDUSLP:
WOGR   PXQGR   FKDPDYD    DVVLP.
H   OD   TXH    GHYHP    SURFXUDU   SRU    PLP.


Procurar onde? O que queriam dizer aquelas palavras? Os primos pensaram, pensaram. Lembraram que “cafona” quer dizer brega: já viram isso em uma aula. O que a vovó tinha de mais brega eram roupas. E bem na frente deles havia um enorme baú. Só poderia ser de roupas velhas. Tentaram arrastá-lo para perto da claridade das lâmpadas, contudo pesava demais. Abriram ali mesmo: será que havia outra pista? Tiraram blusas, vestidos – tudo muito colorido e floreado. A cara da vovó! Mas algo se mexeu e gemeu:

- Uhuuuuuuuuuu!

Os primos sentiram um clarão no rosto, que os cegou por um instante. Recobrada a visão, viram a Vovó saindo do baú, rindo e conferindo no seu celular, de última geração, a foto da cara assustada dos netos, anunciando:

- Essa vai para o álbum de família!

1) A criptografia consiste em um conjunto de técnicas - algumas matemáticas - que codificam nossas mensagens de modo que somente quem conhece a chave de decodificação poderá decifrá-las. Um dos métodos mais antigos de criptografia é conhecido como Código de César, nome dado em homenagem ao imperador romano Júlio César (100aC - 44aC), que o utilizava para se comunicar com seus generais.
O Código de César consistia num método de substituição de letras em que cada letra era substituída por outra que estivesse três posições à frente dessa, na sequência do alfabeto.*
Utilizando o código de César, decifre as pistas deixadas pela Vovó Sinistra.

2) Observe a frase: "Os primos João Pedro e Gabriela estavam eufóricos: [...]" (1º parágrafo). Pesquise o significado da palavra destacada e responda:
a) Qual era o sentimento dos primos?
b) Por que eles estavam eufóricos? 

3) Quais características foram citadas em relação à Vovó, no primeiro parágrafo do texto?

4) Na frase: "As mães de ambos chegaram ao mesmo tempo na casa da Vovó." O termo destacado refere-se a quem?

5) De que forma as mães de João Pedro e Gabriela saíram da casa da Vovó?

6) De que forma é caracterizado o sobrado da Vovó Sinistra?

7) Já que você decodificou as mensagens criptografadas no texto, para onde levava a primeira pista deixada na casa? Ao que as crianças associaram a pista deixada?

8) Observe a frase: "Vamos fuçar naqueles discos da Vovó - sugeriu João Pedro." Reescreva a frase, substituindo os termos destacados por sinônimos.

9) Ao procurarem os discos da Vovó, com o que Gabriela confundiu o nome dos mesmos? Por que ela fez essa confusão?

10) Qual foi a próxima senha que eles tiveram que descobrir e como chegaram àquela conclusão?

11) Ao desvendar essa pista, o que eles encontraram? Desenhe esse objetivo conforme a descrição do texto.

12) Observe a frase: "Do aparelho saiu a voz nada melodiosa da Avó, que cantava: [...]". O que o termo destacado sugere a respeito da cantoria da Vovó?

13) Quais itens antigos são citados no texto, que, atualmente, não têm mais utilidade? Pelo que eles foram substituídos?

14) Por que, na sua opinião, as crianças tinham medo de ir ao porão?

15) Observe a seguinte descrição: "Não é lâmpada, não é da cidade / É de querosene, não de eletricidade". Ao que a Vovó se referia? 
a) a uma lanterna.
b) a um lampião.
c) a um abajur.

16) O que, de acordo com os primos, quer dizer "cafona"?

17) Observe o seguinte trecho: "Os primos sentiram um clarão no rosto, que os cegou por um instante." O que foi esse clarão e onde ele veio?

18) Pinte, nas pistas deixadas pela Vovó, as palavras que rimam e crie mais uma rima para cada uma delas.

19) Agora que você já conhece a história da Vovó Sinistra, explique, com as suas palavras, por que ela era chamada assim.

20) Crie um novo final para a história. Imagine que as crianças ainda não encontraram a Vovó e que a última pista os levou a mais uma. Invente, com criatividade, uma nova pista que os direcione para a localização exata da Vovó Sinistra. 

*Fonte: Texto e atividade sobre criptografia adaptados do Fascículo Ler

Nenhum comentário: