quinta-feira, 3 de março de 2016

O MENINO NO ESPELHO - Fernando Sabino - Atividades para o 6º ano

O MENINO NO ESPELHO

Fernando Sabino

Levantava a p__ __ n__, e ele levantava também, ao mesmo __e__p__. Abria os __r__ __o__ e ele fazia o mesmo. C__ç__ __ a a __r__ __ h__ , e ele também.

Mas o que mais me in__r__g__ __a era a única diferença entre nós dois. Sim, porque um dia descobri, com pasmo, que, enquanto eu levantava a perna esquerda, ele levantava a direita; enquanto eu coçava a orelha direita, ele coçava a esquerda. Reparando bem, descobria outras __i__ __ r__n __as. O e__ __ u __o da __ s__ __ __a, por exemplo, que eu trazia colado no b__l__i __ __o esquerdo do __n__ f__ r__ __, na __l__ s __ dele era no direito.

Para testar, coloco a mão direita espalmada sobre o __ __p __l__ __. Como era de se esperar, ele ao mesmo tempo vem com sua mão esquerda, encostando-a na minha. Sorrio para ele e ele para mim. Mais do que nunca me vem a __e__ __a__ã__ de que é alguém __dê__t__c__ a mim que está ali dentro do espelho, se divertindo em me __m__t__ __. Chego a ter a impressão de sentir o c__l__ __ da palma da mão dele contra a minha. Fico __é__ __ o, a imaginar o que aconteceria se isso fosse __e__ __a__e. Quando volto a olhá-lo no __o__t__, vejo assombrado que ele continua a sorrir. Como, se agora estou absolutamente sério?

Um __ala__rio me corre pela e__p__n__ha, arrepiando a __e__ __: há alguém vivo dentro do espelho! Um outro eu, o meu duplo, realmente existe! Não é __m__ __ i __a__ã__, pois ele ainda está sorrindo, e sinto o contato de sua mão na minha, seus __e__ __s aos poucos entrelaçarem os meus.

Puxo a mão com cuidado, descolando-a do espelho. Em vez da outra mão se afastar, ela vem para fora, presa à minha. Afasto-me um passo, sempre a puxar a __i__ __ __a do espelho, até que ela se destaque de todo, já dentro do meu __u__r__o, e fique à minha frente, __al__á__el, de c__rn__ e osso, como outro menino exatamente igual a mim.

– Você também se chama Fernando? – pergunto, mal conseguindo acreditar nos meus __l__ __s.

– Odnanref – responde ele, era como se eu próprio tivesse falado: sua __ __z era igual à minha.

– Odnanref?

– Sim, Odnanref. Fernando de trás para diante. Era tudo semelhante a mim, menos em relação à direita e à esquerda, que nele eram ao contrário, sendo natural, pois, que seu nome, isto é, o meu, fosse ao contrário também. Por uma c__i__c__d__nc__a, Odnanef era o meu nome de guerra, na s__c__ __d__de __e__ __e__a Olho de Gato.

- Por isso mesmo – confirmou Odnanref, dando-me um tapinha nas costas e rindo, feliz: - Foi você que me desencantou, adotando o meu nome. Senão eu jamais teria vindo, pois a lei do __u__ __o dos espelhos proíbe terminantemente que a gene venha ao mundo de vocês. A menos que alguém consiga desvendar o nosso __n__ __n__o. O meu era esse, e você adivinhou. Eu só estava esperando eu você me puxasse, como acabou de fazer. O contrário é possível, como aconteceu com Alice, que passou para o lado de dentro do espelho e foi nos visitar. Também, até hoje, foi a única a realizar essa proeza.

Depois de esfregar os olhos e me certificar de que não estava sonhando, voltei-me para o espelho, procurando ver nele a minha figura refletida. Se visse, seria capaz de retirá-la também? E quantas vezes isso aconteceria, para formar a v__r__ __ __e__ra legião de meninos iguais a mim? Mas simplesmente não vi ninguém no espelho, como aconteceu quando fiquei __n__ __s__v__l.

No espelho eu via apenas refletidos os __ó__ __i__ do quarto atrás de mim. E a porta de entrada, que acabava de se abrir para o Toninho entrar.

Foi ele aparecer e Odnanref de um salto se agachou rapidamente, escondendo-se atrás da minha cama.

- Que é isso, Fernando, falando sozinho? – estranhou meu irmão.

Disfarcei como pude, até que ele saísse do quarto. O meu sósia reapareceu, com um __u__p__ __o de __l__v__o:

- Puxa, por pouco ele não me vê! Precisamos tomar cuidado e combinar umas coisas, para que isso não torne a acontecer.

Deslumbrado com a perspectiva de ter alguém igual a mim, como um __e__fe__t__ __r__ã__ __ê__ __ o, eu não imaginava as dificuldades que iria enfrentar. A falta de minha __m__g__m no espelho, por exemplo, era uma delas: me criava problemas para p__ __t__ __r os cabelos ou __ __ __o__ar os dentes sem poder me ver.

Combinamos que, a partir de então, ele me substituiria quando eu quisesse, mas jamais deveríamos ser vistos juntos. Ninguém poderia desconfiar de nossa __x__ __ __ê__ __ia dupla, pois com isso se acabaria o __n__a__ __o, significando o seu imediato regresso, para todo o sempre, ao interior do espelho.

Em compensação, ele me revelou uma __u__ __r__s__ a mais, como se fosse pouco o __il__g__e de sermos dois: sempre que eu quisesse, poderia ver, ouvir, pensar e sentir tudo o que ele via, ouvia, pensava e sentia. Se ele comesse um d__ __ e, por exemplo, eu podia sentir o gosto; se achasse __r__ç__ em alguma coisa, eu podia __ _ __, mesmo que estivesse a quilômetros de distância. O importante é que só se dava quando eu quisesse: das coisas __u__ __s ou simplesmente sem graça eu me dispensaria de tomar __o__ __e__i__e__to.

O que significava que ele poderia tomar __e__é__ __o em meu lugar. E assistir às __u__as mais cacetes (para mim eram quase todas), sem que eu deixasse de aprender o que nelas se ensinasse. Poderia até mesmo fazer __r__v__ ___ para mim, enquanto eu ia empinar __ap__g__i__, pegar __as__ar__n__o, jogar pião ou bola de gude.

E assim foi, durante algum tempo. Nunca me diverti tanto. Só que eu tinha de tomar muito cuidado para não trair o meu __e__ __ e__o. Às vezes me distraía e minha mãe surgia no alto da escada da cozinha:

- Uai, Fernando, como é que você já está aí embaixo no __u__ __tal, se ainda agora te vi lá no seu q__a__to? Por onde você desceu?

Passava outros apertos, como o da blusa do uniforme de Odnanref, que era ao contrário, o escudo do lado oposto. Tínhamos de trocar de blusa todo dia que ele ia à aula em meu lugar. Até o __a__e__o criou problemas: eu partia do lado esquerdo e ele do lado direito. Tivemos de acabar ambos partindo ao meio.

Pois um dia eu é que acabei, por distração, indo à aula com a blusa dele. A professora percebeu o bolso do lado direito, tive de inventar uma __i__tó__i__ complicada para explicar aquilo: um __o__ __g__ me havia arrancado o bolso numa briga e a costureira pregou o lado errado... Não sei se ela acreditou.

Mas o pior é que Odnanref era c__ __h__ __o, e quanto a isto não podíamos fazer nada. Quando ele ia almoçar com minha f__m__l__ __, para que eu pudesse ficar vadiando na rua, era difícil disfarçar, pois não sabia segurar o __a__fo com a mão direita. E na escola era pior ainda, já que só escrevia com a mão esquerda. Tive de inventar que eu estava treinando para usar ambas as mãos, tinha jeito com as duas, tanto fazia usar uma ou outra. E as __e__so__s grandes ficavam admiradas, dizendo que nunca haviam percebido que eu era ambidestro. Mais uma palavra nova que eu aprendia.

Odnanref me revelava verdadeiras maravilhas. Conhecia coisas do outro mundo. Me contou que existe vida em outros p__ __n__t__ __, em milhões deles, com tudo igual à vida na Terra, reprodução exata de tudo que aqui acontece, as mesmas pessoas, os mesmos p__ __s__s, os mesmos problemas. Que no mundo dos espelhos, de onde ele viera, era possível viajar para o p__ss__ __o, correr os __éc__l__s até o princípio dos tempos e a criação do u__ __v__ __so. Ou ir para o futuro, saber o que aconteceria de hoje até o final dos tempos. E mais – ele dizia com a sua voz igual a minha:

- Todo mundo tem na vida uma oportunidade de ser dois. Nos momentos de __o__ __g__ __, por exemplo, em que a pessoa faz coisas que se julgava incapaz. Os atos de heroísmo, nos instantes de p__r__g__, quando a gente é capaz de pular um muro ou subir numa __r__o__ __ que normalmente seria impossível de conseguir, quem você pensa que está fazendo tudo isso senão o outro?

Aquela tinha sido a minha oportunidade, jamais teria igual. E viveríamos felizes um com o outro, desde que ninguém soubesse, mas um dia botei tudo a perder.

1) Complete corretamente as palavras do texto.

2) No primeiro parágrafo, o menino realiza uma série de ações em frente ao quê?. Transcreva as palavras que indicam essas ações.

3) Logo Fernando se dá conta de uma diferença entre ele e a imagem que ele vê. Que diferença é essa?

4) Observe a seguinte frase: "Para testar, coloco a mão direita espalmada sobre o espelho." (3º parágrafo). Como Fernando colocou a mão no espelho?

5) No terceiro parágrafo acontece algo que surpreende o menino. Que fato foi esse?

6) Observe a frase: "Um calafrio me corre pela espinha, arrepiando a pele: [...]" (4º parágrafo). Procure no dicionário o significado do termo destacado e responda: que sensação Fernando teve?

7) No quarto parágrafo o menino afirma: "Não é imaginação [...]". Que fato ele usa para comprovar isso?

8) O que acontece quando Fernando tira a mão do espelho?

9) De que forma, segundo o narrador, Fernando desencantou Odnanref?

10) É possível entrar no espelho ou só sair dele? Comprove sua resposta com um trecho do texto.

11) Marque V ou F:
(    ) Fernando também entrou no espelho e conheceu outros mundos.
(    ) Fernando continuou vendo sua imagem no espelho.
(    ) Fernando tinha um irmão gêmeo - Toninho.
(   ) Depois que Odnanref saiu do espelho, Fernando passou a ter dificuldades para se pentear e escovar os dentes.
(     ) A partir do momento que Odnanref saiu do espelho, ele e Fernando sempre eram vistos juntos.

12) O que poderia fazer Odnanref voltar para dentro do espelho, segundo o narrador?

13) Observe a frase: "E assistir às aulas mais cacetes (que para mim eram quase todas) [...] (21º parágrafo). Reescreva a frase, substituindo o termo destacado por um sinônimo.

14) A partir do momento que Odnanref saiu do espelho, Fernando passou por alguns apertos. Cite-os.

15) Como Fernando resolveu o problema em relação ao cabelo?

16) Como Fernando explicou à professora o fato de ter ido à aula com a blusa trocada?

17) Observe o seguinte trecho: "E as pessoas grandes ficavam admiradas, dizendo que nunca haviam percebido que eu era ambidestro." (26º parágrafo).
a) Quem eram as "pessoas grandes" a quem Fernando se refere?
b) O que é ser ambidestro?

18) O que, segundo Odnanref, era possível fazer no mundo dos espelhos?

19) Como ficaria o seu nome, escrito de trás para frente?

20) No final do texto, o narrador dá a entender  de que algo estragou aquele momento entre Fernando e Odnanref. Crie um parágrafo final para o texto, escrevendo o que você acha que aconteceu entre os dois.

21) O narrador deste texto é observador ou personagem? Comprove com um trecho do texto.


Nenhum comentário: