quarta-feira, 11 de novembro de 2015

TROPEÇOS - Ivan Ângelo

Tropeços 
A graça e a lógica de certos enganos da fala
Ivan Ângelo



O compenetrado pintor de paredes olhou as grandes manchas que se expandiam por todo o teto do banheiro do nosso apartamento, as ....... antigas já negras, umas amarronzadas, outras esverdeadas, pediu uma escada, subiu, desceu, subiu, apalpou em vários pontos e deu seu diagnóstico: - Não adianta pintar. Aqui tem muita “humildade”.

Levei segundos para compreender que ele queria dizer “umidade”. E consegui não rir. Durante a conversa, a expressão surgiu outras vezes, não escapara em falha momentânea. 

____ palavras que são armadilhas para os ouvidos, mesmo de pessoas menos humildes. São captadas de uma forma, instalam-se no cérebro com seu aparato de sons e sentidos - sons parecidos e sentidos inadequados - e saltam frescas e absurdas no meio de uma conversa. São enganos do ouvido, ....... do que da fala. Como o tropeção de uma pessoa de boas pernas não é um erro do caminhar, ...... do ver. 

Resultam muitas vezes formas hilárias. O Zelador do nosso prédio deu esta explicação por não estar o elevador automático parando em determinados andares: 

- O computador entrou em “pânico”. 

Não sei se ele conhece a palavra “pane”. Deve ter sido daquela forma que a ouviu e gravou. Sabemos que é “pane”, ele assimilou “pânico” - a coisa que nomeamos é a mesma, a comunicação foi feita. Tropeço também é linguagem. 

O cheque bancário é frequentemente vítima de um tropicão desses. Muita gente diz, no final de uma história de esperteza ou de desacordo comercial, que mandou “assustar” um cheque. Pois outro dia encontrei alguém que mandou “desbronquear” o cheque. Linguagem - imagino a viagem que a palavra “desbloquear” fez na cabeça da pessoa: a troca comum do “l” pelo “r”, a estranheza que se seguiu, o acréscimo de um “n” e aí, sim, a coisa ficou parecida com alguma coisa, bronca, desbronquear, sem bronca. Muita palavra com status de dicionário nasceu assim.

Já ouvi de um mecânico que o motor do carro estava “rastreando”, em vez de “rateando”. Talvez a palavra correta lhe lembrasse rato e a descartara como improvável. “Rastrear” parecia ter melhor raiz, traz aquela ideia de vai e volta e vacila, como quem segue um rastro... Sabe-se lá. _____algum tempo, quando eu procurava um lugar pequeno para morar, o zelador mostrou-me um quarto e sala “conjugal”. Tem lógica, não ? Muitos erros são elaborações. Não teriam graça se não tivessem lógica. 

[...]

Estudantes candidatos à universidade também tropeçam nos ouvidos. E não apenas falam, .... registram seus equívocos. Nas provas de avaliação do ensino médio apareceram coisas como “a gravidez do problema”, “micro-leão-dourado” e esta é ótima, “raios ultraviolentos”. 

Crianças cometem coisas tais, para delícia dos pais. O processo é o mesmo: ouvir, reelaborar, inserir em uma lógica própria e falar. Minha filha pequena dizia “água solitária”, em vez de “sanitária”. A sobrinha de uma amiga, que estranhava a irritação mensal da tia habitualmente encantadora, ouviu desta uma explicação que era quase uma desculpa e depois a repassou para a irmã menorzinha:

- A tia Pat está “misturada”. Ivan Ângelo

1) Assinale a alternativa que corresponde ao correto preenchimento dos espaços pontilhados (...) no texto, levando em consideração o uso de MAS ou MAIS.
a) Mais – mais – mas – mais.
b) Mais – mais – mas – mas.
c) Mais – mas – mas – mais.
d) Mais – mais – mais - mais.
e) Mas – mas – mas – mas.

2) A lacuna ( ____) em branco no 3º parágrafo do texto, é corretamente preenchida com HÁ ou A?

3) Como o autor descreve as manchas do banheiro de seu apartamento?

4) Pesquise o significado da palavra destacada na frase “O compenetrado pintor de paredes [...]” (1º parágrafo) e responda: como era o pintor?

5) Que ações são descritas no primeiro parágrafo do texto, atribuídas ao pintor?

6) A que se devem, segundo o autor, os erros cometidos com as palavras, as quais, segundo ele, são “armadilhas para os ouvidos” (3º parágrafo).

7) Segundo o autor, o tropeço de uma pessoa com boas pernas é um erro de quê?

8) Com que palavra o zelador relacionou a palavra “pânico”? Qual o significado dessa palavra?

9) Observe a frase: “Resultam muitas vezes formas hilárias.” (4º parágrafo). Neste contexto, o termo destacado significa:
a) Ilustre. 
b) Risonho. 
c) Engraçado. 
d) Errado. 
e) Novo.

10) Observe a frase: “O cheque bancário é frequentemente vítima de um tropicão desses. Muita gente diz, no final de uma história de esperteza ou de desacordo comercial, que mandou “assustar” um cheque.” (7º parágrafo). O termo correto para essa ação é:
a) Descontar. 
b) Sustar. 
c) Rasgar. 
d) Assinar.
e) Preencher.

11) Em relação à frase: “. Pois outro dia encontrei alguém que mandou “desbronquear” o cheque.” (7º parágrafo). O que essa pessoa fez?

12) No 8º parágrafo, a lacuna deve ser corretamente preenchida com HÁ ou A?

13) Reescreva a frase abaixo, substituindo o termo destacado por um sinônimo:
a) E não apenas falam, mas registram seus equívocos. (9º parágrafo).

14) Quais são os erros cometidos pelos universitários?

15) Qual é o processo dos erros descrito pelo autor?

16) Complete adequadamente as frases abaixo com os PORQUÊS:
a) As pessoas cometem erros ___________________ confundem as palavras.
b) Tentei entender o ______________ dos erros cometidos pelos universitários.
c) ____________ o mecânico confundiu as palavras “ratear” e “rastrear”?
d) Você escreveu errado, _____________?
e) Falou daquele jeito ____________ ouviu o colega falar.

Nenhum comentário: