quinta-feira, 26 de junho de 2014

A REDE DA INVEJA e O FIM DA PRIVACIDADE - ATIVIDADES DIVERSAS COM PRONOMES

TEXTO 1
A REDE DA INVEJA 

Uma surpresa revelada por pesquisas científicas: para muita gente, o Facebook é uma fonte permanente de frustração e angústia. No clássico , A Conquista da Felicidade, de 1930. o filósofo britânico Bertrand Russell definiu um sentimento devastador: "De todas as características da natureza humana, a inveja é a mais desafortunada. O invejoso não só deseja a desgraça, como é rendido à infelicidade". Russell entendia a inveja como uma emoção universal, que hora ou outra desperta em qualquer um. Morto em 1970, ele não se surpreenderia — pelo contrário, provavelmente acharia natural — com o fato de a internet, o meio de comunicação global que define nosso tempo, ser agora uma ferramenta a instigar esse sentimento angustiante.

Não é difícil entender por que é assim. Só é possível invejar aquilo que se vê ou conhece, e a web multiplicou o que se pode saber sobre a vida alheia. Um estudo realizado pela Universidade Humboldt em conjunto com a Universidade Técnica de Darmstadt. ambas na Alemanha, publicado na semana passada, é a primeira tentativa de medir cientificamente a intensidade dessa emoção na internet.

A conclusão é espantosa: uma em cada cinco pessoas ouvidas na pesquisa aponta o Facebook como a origem de sua experiência de inveja. Um bilhão de pessoas, um sétimo da população mundial, participam dessa rede social. O que fazem nela. basicamente, é colocar fotos, contar detalhes pessoais ou simplesmente fofocar. Sabe-se, pelas pesquisas, que parte considerável desses usuários mantém uma atitude passiva no Facebook. Apesar de passarem muito tempo on-line, limitam-se a seguir o que é postado por amigos que parecem ser mais felizes e sabem aproveitar melhor a vida. Nesse cenário, eles se sentem solitários, excluídos do ciclo de atividade. felicidade e camaradagem on-line das outras pessoas. É nesse caldo de cultura que nasce a gama de emoções angustiantes dissecadas pelos pesquisadores alemães.

O levantamento, feito com 584 usuários assíduos do Facebook, constatou que um em cada três deles se declara frustrado e triste imediatamente após se desconectar da rede. Para três em cada dez. o principal motivo do desgosto é a sensação de que os amigos on-line levam uma vida melhor que a sua. No ranking elaborado pelo estudo, a inveja é o sentimento mais frequentemente associado à frustração no Facebook. Em segundo lugar, atingindo 9% dos entrevistados, vem a sensação de que suas publicações não recebem atenção. Em seguida, com 10%, está a solidão. Os cientistas alemães descreveram a emoção mais frequente, a inveja, como "uma desagradável mistura de sentimentos por vezes doloridos, causados pela comparação com uma pessoa ou um grupo que possui algo que queremos". Explica a VEJA Hanna Krasnova, autora da pesquisa: "No Facebook, compartilham-se 30 bilhões de mensagens todos os meses, e esse ambiente serve como vitrine para o narcisismo e a supervalorização de conquistas pessoais. É natural que. ao percorrerem esse amontoado de informações, as pessoas se comparem aos outros". O foco de Hanna é o estudo de sistemas de informação, um campo relativamente novo da ciência da computação.

Ações no Facebook
Recentemente, ela teve uma desagradável surpresa na rede social. "Senti uma raiva imensa quando deparei com fotos de meu ex-namorado beijando uma menina que se dizia minha melhor amiga. Para piorar, os retratos eram de uma viagem a Miami, cidade que sonhava em visitar com ele quando estávamos juntos."

A infelicidade virtual nasce, muitas vezes, de uma percepção exagerada da felicidade alheia e da própria infelicidade. "Os usuários do Facebook tendem a selecionar e exibir na rede apenas o melhor de sua vida", diz Hanna Krasnova. "Quem se sente inferiorizado não percebe que o que vê não é a vida real do outro e. sim, apenas uma versão editada de seus melhores momentos." No ano passado, período em que estudou moda em Milão, a pernambucana Lafse Nogueira, de 24 anos, postava fotos nas quais aparecia sorridente ao lado de colegas. "Só que o sorriso não refietia minha real situação", conta Lafse. "Estava triste e me sentia solitária vendo as fotos de meus amigos se divertindo no Brasil." Os amigos brasileiros, que não sabiam disso, invejavam sua vida na Itália. É o caso típico de o gramado do vizinho ser mais verde. 

Apesar de ser estigmatizada como um dos sete pecados mortais, a inveja não é um sentimento absolutamente perverso. Ao contrário, desejar o que já foi alcançado por outra pessoa pode servir de incentivo para melhorar a própria vida. Mas também pode ser o inferno em vida, pois fomenta o rancor e a angústia. Um estudo do Instituto Nacional de Ciência Radiológica, no Japão, revelou que a área do cérebro ativada pela inveja é também responsável por processar sensações como a dor física. O alemão Christian Maier, da Universidade de Bamberg. que estuda a irritação sentida por usuários em redes sociais, disse a VEJA que "a tensão causada pela necessidade de se adaptar às regras de um novo mundo transformou o Facebook numa fonte de stress". No caso da inveja, forma-se um ciclo vicioso. Muitos solitários recorrera ao Facebook. permanecem muito tempo on-line. mas interagem pouco com os amigos virtuais. O que veem na rede social são pessoas em festas e viagens, isso faz com que se sintam ainda mais excluídos. A frustração os deixa desmotivados a sair de casa e os prende ainda mais ao Facebook. É o ciclo da rede de inveja.

Fonte: Felipe Vilicic - Veja - 26/01/2013

http://paulgettynascimento.blogspot.com.br/search?q=a+rede+da+inveja

VOCABULÁRIO
1) ENCONTRE, NO TEXTO, SINÔNIMOS DAS PALAVRAS ABAIXO:
a) incentivar:
b) admiraria:
c) decepção:
d) destruidor:
e) defrontar:
f) compreensão:
g) frequentes:
h) analisadas:
i) marcadas:
j) motivar:
k) série:

2) SABENDO QUE OS PREFIXOS -IN E -DES ATRIBUEM UM SENTIDO DE NEGAÇÃO À PALAVRA, RETIRE, DO TEXTO, UMA PALAVRA COM O PREFIXO -IN E QUATRO PALAVRAS COM O PREFIXO -DES QUE EXEMPLIFIQUEM ISSO.

INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
1) POR QUE O FACEBOOK É APONTADO, PELO TEXTO, COMO MOTIVADOR DE FRUSTRAÇÕES E TRISTEZAS ENTRE OS USUÁRIOS DA REDE?

2) COMO OS ALEMÃES DESCREVERAM A INVEJA?

3) COMO NASCE A INFELICIDADE VIRTUAL, SEGUNDO A PESQUISADORA HANNA KRASNOVA?

4) QUAL É O LADO POSITIVO DA INVEJA, SEGUNDO O TEXTO? E O NEGATIVO?

5) COMO A INVEJA TORNA-SE UM CICLO VICIOSO?

6) PARA UMA EM CADA CINCO PESSOAS OUVIDAS NA PESQUISA, QUAL É A ORIGEM DA INVEJA?

ATIVIDADES GRAMATICAIS

1) "O invejoso não só deseja a desgraça, como é rendido à infelicidade". SE PASSARMOS O SUBSTANTIVO "INVEJOSO" PARA O PLURAL, O NÚMERO DE TERMOS A SER ALTERADO, NA FRASE, É DE:
a) 3                b) 4              c) 5                  d) 6                   e) 7

2) "Nesse cenário, eles se sentem solitários, excluídos do ciclo de atividade, felicidade e camaradagem on-line das outras pessoas.!" SE PASSARMOS O PRONOME "ELES" PARA O SINGULAR, O NÚMERO DE TERMOS A SER ALTERADO É DE:
a) 3                b) 4              c) 5                  d) 6                   e) 7

3) Retire, do 1º parágrafo do texto, uma frase em que apareçam dois pronomes indefinidos.

4) Indique o termo anterior ao qual se refere o pronome relativo, destacado nas frases abaixo:
a) "com o fato de a internet, o meio de comunicação global que define nosso tempo, ser agora uma ferramenta a instigar esse sentimento angustiante." (1º parágrafo).

b) "[...] limitam-se a seguir o que é postado por amigos que parecem ser mais felizes [...]"3º parágrafo).

c) "[...] causados pela comparação com uma pessoa ou um grupo que possui algo que queremos." (4º parágrafo).
d) "[...] fotos de meu ex-namorado beijando uma menina que se dizia minha melhor amiga." (5º parágrafo).


5) Em relação aos pronomes destacados nas frases abaixo, classifique-os e, em seguida, procure, no texto, o termo ao qual eles se referem.
a) "Morto em 1970, ele não se surpreenderia - [...]" (1º parágrafo).
b) "[...] ser agora uma ferramenta a instigar esse sentimento angustiante." (1º parágrafo).
c) "[...] é a primeira tentativa de medir cientificamente a intensidade dessa emoção na internet." (2º parágrafo).
d) "Um bilhão de pessoas, um sétimo da população mundial, participam dessa rede social." (3º parágrafo). 
e) "O que fazem nela, basicamente, é colocar fotos, contar detalhes pessoais ou simplesmente fofocar." (3º parágrafo).
f) "O levantamento, feito com 584 usuários assíduos do Facebook, constatou que um em cada três deles se declara frustrado [...]" (4º parágrafo).
g) "No Facebook, compartilham-se 30 bilhões de mensagens todos os meses, e esse ambiente serve como vitrine para o narcisismo [...]" ( 4º parágrafo).
h) "Recentemente, ela teve uma desagradável surpresa na rede social."(5º parágrafo).
i) "Os usuários do Facebook tendem a selecionar e exibir na rede apenas o melhor de sua vida." (6º parágrafo).
j) "O que veem na rede social são pessoas em festas e viagens, isso faz com que se sintam ainda mais excluídos." (7º parágrafo).

6) Classifique em que grau foram empregados os adjetivos, nas frases abaixo:
a) "De todas as características da natureza humana, a inveja é a mais desafortunada." (1º parágrafo).
b) "Para três em cada dez, o principal motivo do desgosto é a sensação de que os amigos on-line levam uma vida melhor que a sua." (4º parágrafo).

7) Retire, do texto, uma frase onde tenham sido empregados um numeral cardinal e um numeral fracionário.

8) Classifique os termos destacados em OD, OI, CN ou AA:
a) "[...] o filósofo britânico Bertrand Russell definiu um sentimento devastador: [...]"
b) "[...] e a web multiplicou o que se pode saber sobre a vida alheia."
c) "[...] aponta o Facebook como a origem de sua experiência de inveja."
d) "[...]  imediatamente após se desconectar da rede."
e) "[...] vendo as fotos de meus amigos [...]"
f)  "[...] se adaptar às regras de um novo mundo[...]"
g) "Os usuários do Facebook tendem a selecionar e exibir na rede apenas o melhor de sua vida".


TEXTO 2
O FIM DA PRIVACIDADE


Uma em cada 4 pessoas __________ usam a internet no mundo tem uma conta no Facebook. Esse meio bilhão de pessoas publicam 14 milhões de fotos diariamente. Os 100 milhões de usuários do Twitter postam 2 bilhões de mensagens por mês. Dê um google no nome de alguém e os tweets dele vão estar lá. Pesquisadores cunham termos bonitos como a “era da hipertransparência” para tentar falar que há xeretas e exibicionistas demais hoje. 

E a maior rede social do planeta deu um passo grande ruma à tal hipertransparência: em maio, o Facebook mudou as regras sobre o quanto que estranhos podem saber de sua vida. “Estamos construindo uma internet __________ padrão é ser sociável”, decretou Mark Zuckerberg, criador e presidente do site, ao anunciar as mudanças. Utopia sociológica à parte, interessa para ele que usuários de seu serviço possam ser encontrados com mais facilidade. Se você não está no Facebook e encontra aquele amor antigo da escola ali, tende a entrar para a rede social. E, quanto mais gente lá, mais Zuckerberg pode faturar com publicidade. 

As mudanças, de cara, parecem bem sutis. Antes, não dava para ver a foto de perfil ou a idade de uma pessoa pesquisada, por exemplo. Agora, a não ser que o usuário mude as configurações no braço, um resumo de sua ficha ficará exposto na internet. Não é pouca coisa. Pense em quem teve um término de relacionamento conturbado e quer manter distância de namorados maníacos; ou em um adolescente que mudou de escola por causa de bullying e corre o risco ______________ tudo comece de novo se os novos colegas descobrirem isso; em quem sofre de assédio moral no trabalho ou foi testemunha de um crime; em quem não quer que os pais descubram detalhes da sua vida sexual. Para todos eles, qualquer detalhe que o Facebook divulgue, pode fazer uma grande diferença. 

Não fica nisso. Um dos maiores problemas é que a internet não “esquece” nada. E agora que ela faz parte da vida de praticamente todo mundo há uma década, qualquer vacilo do passado pode causar um problema no presente. Fotos ousadas num fotolog de anos atrás vão complicar você na disputa por um emprego. Uma troca infeliz de scraps no Orkut, como uma discussão com um ex, pode estar ao alcance de qualquer um. As redes sociais baseadas em GPS, como a Fousquare, colocam mais pimenta nesse molho, já que elas mostram num mapa onde os usuários estão a cada momento. Em suma, nunca existiram tantas possibilidades de exposição pública. E sim: sempre vai ter alguém que você não esperava bisbilhotando você. 

É natural. O desejo de cavucar a vida alheia existe desde sempre. “Na maior parte da história humana, as pessoas viveram em pequenas tribos ___________ todas as pessoas sabiam tudo o que todo mundo fazia. E de alguma forma estamos nos tornando uma vila global. Pode ser que descobriremos que a privacidade, no fim das contas, sempre foi uma anomalia”, afirma o professor Thomas W. Malone, do Centro de Estudos de Inteligência Coletiva do MIT. 

Seja como for, trata-se de uma anomalia de que todo mundo gosta. E por isso mesmo um movimento ganha cada vez mais força: há uma preocupação maior com a bisbilhotice. Na prática, está acontecendo o contrário do que Zuckerberg imagina. Estamos menos “sociais”. 

Hoje, a quantidade de dados que as pessoas deixam aberta na rede para todo mundo ver é, por cabeça, bem menor do que há 5, 6 anos. É raro encontrar quem deixe suas fotos escancaradas numa rede social. Scraps públicos no Orkut já são parte de um passado remoto... Um estudo da Universidade da Califórnia mostra essa mudança: os entrevistados disseram tomar mais cuidado com o que postam online hoje do que há 5 anos. Na mesma pesquisa, 88% dos jovens de 18 a 24 anos manifestaram-se a favor de uma lei que forçasse os sites a apagarem informações pessoais depois de algum tempo. 

Enquanto não chegam leis concretas, as pessoas reagem por conta própria. Trinta mil usuários cancelaram suas contas no Facebook no dia 31 de maio, para protestar contra aquela mudança na configuração de privacidade. Compare isso com a reação que as pessoas tiveram em 2006, quando o Orkut passou a identificar quem visitava o seu perfil. Não faltaram reações de indignação. “Qual é a graça se não dá mais para espionar a vida dos outros escondido?”, perguntavam os usuários. 


É difícil imaginar algo assim hoje. Aprendemos a nos comportar na rede como nos comportamos em público. Porque, cada vez mais, estamos mesmo. 

Adaptado de: BURGOS, Pedro. O fim do fim da privacidade. Revista Super Interessante. – Ed. 280, junho de 2010. Disponível em http://super.abril.com.br/tecnologia/fim-fim-privacidade-580993.shtm

VOCABULÁRIO
1) PREENCHA A CRUZADINHA COM SINÔNIMOS DAS PALAVRAS ABAIXO, OS QUAIS VOCÊ ENCONTRARÁ NO TEXTO. 
a) Revolta 
b) Anormalidade 
c) Ilusão 
d) Intimidade, sigilo 
e) Abertas 
f) Criam 
g) Bisbilhoteiros 
h) Discretas

INTERPRETAÇÃO TEXTUAL 
1) EM RELAÇÃO AO TEXTO, É CORRETO AFIRMAR: 
(      ) O Facebook é a rede social que tem o maior número de usuários no mundo. 
(      ) A Internet, através das redes sociais, se tornou uma forma acessível de bisbilhotar a vida dos outros. 
(     ) Nos últimos anos, as pessoas estão deixando mais informações acessíveis ao público nas redes sociais. 
(     ) De certa forma, a Internet está se tornando uma extensão da nossa vida pública, por isso, estamos aprendendo a nos comportar nas redes sociais como nos comportamos em público. 

a) V – F – F – V                                  d) V – F – V – V 
b) V – V – F – F                                  e) V – V – V – V 
c) V – V – F – V

ATIVIDADES GRAMATICAIS 
1) ASSINALE A ALTERNATIVA QUE PREENCHE CORRETA E RESPECTIVAMENTE AS LACUNAS DO TEXTO:
a) as quais – cujo o – que – onde                 d) as quais – onde o – a que – nas quais
b) que – cujo – de que – onde                       e) que – cujo o – de que – em que
c) que – onde o – que – as quais

2) REESCREVA AS FRASES A SEGUIR, SUBSTITUINDO AS EXPRESSÕES DESTACADAS, PELOS PRONOMES ADEQUADOS
a) “[...]Fotos ousadas num fotolog de anos atrás vão complicar você [...]”
b) “[...] ao anunciar as mudanças.”
c) “[...]interessa para ele.”

3) “[...]interessa para ele que usuários de seu serviço possam ser encontrados com mais facilidade..” (2º parágrafo). O PRONOME POSSESSIVO "SEU" INDICA QUE O "SERVIÇO" É DE_________________________________________.

4) “[...]um resumo de sua ficha ficará exposto na internet.” (3º parágrafo). O PRONOME POSSESSIVO DESTACADO INDICA QUE A FICHA É DE QUEM?

5) "[...]Trinta mil usuários cancelaram suas contas no Facebook no dia 31 de maio,” (8º parágrafo). O PRONOME POSSESSIVO SUAS INDICA QUE AS CONTAS SÃO DOS __________________________.

6) OBSERVE OS PRONOMES DESTACADOS NAS FRASES ABAIXO E RESPONDA A QUE TERMOS ELES FAZEM REFERÊNCIA NO TEXTO:
a) “[...] e corre o risco de que tudo comece de novo se os novos colegas descobrirem isso.” (3º parágrafo)
b) “E não fica nisso”. (4º parágrafo).
c) “Compare isso com a reação que as pessoas tiveram em 2006 [...]” (8º parágrafo)

7) INDIQUE OS TERMOS AOS QUAIS SE REFEREM OS PRONOMES RELATIVOS DESTACADOS NAS FRASES ABAIXO:
a) “[...] ou em um adolescente que mudou de escola por causa de bullying [...]”
b) “[...] as pessoas viveram em pequenas tribos onde todas as pessoas sabia tudo o que todo mundo fazia.”
c) “[...] manifestaram-se a favor de uma lei que forçasse os sites a apagarem informações pessoais [...]”
d) “ Estamos construindo uma internet cujo padrão é ser sociável. ”
e) “[...] a quantidade de dados que as pessoas deixam aberta na rede para todo mundo ver [...]”

8) CONSIDERE AS SEGUINTES PROPOSTAS DE SUBSTITUIÇÃO DE SEGMENTOS DO TEXTO ENVOLVENDO EMPREGO DE PRONOMES.
I – interessa para ele (2º parágrafo) – interessa-o
II – vão complicar você (4º parágrafo) – vão lhe complicar
III – bisbilhotando você ( 4º parágrafo) – bisbilhotando-o
Quais são contextualmente adequadas e estão corretas do ponto de vista da norma gramatical?
(a) Apenas I.      
(b) Apenas II. 
(c) Apenas III. 
(d) Apenas II e III. 
(e) I, II e III. 

9) “[...]a não ser que o usuário mude as configurações no braço, um resumo de sua ficha ficará exposto na internet.” O TERMO DESTACADO PODE SER SUBSTITUÍDO PELO PRONOME PESSOAL RETO - 3ª pessoa do singular – ele – FAZENDO COM QUE A REDAÇÃO DA FRASE FIQUE: “a não ser que ele mude as configurações no braço, um resumo de sua ficha ficará exposto na internet..” REESCREVA A FRASE, FAZENDO AS ALTERAÇÕES NECESSÁRIAS AO EMPREGAR:
a) O pronome pessoal reto relativo a 1ª pessoa do singular:
b) O pronome pessoal reto relativo a 2ª pessoa do singular:
c) O pronome pessoal reto relativo a 1ª pessoa do plural:
d) O pronome pessoal reto relativo a 2ª pessoa do plural:
e) O pronome pessoal reto relativo a 3ª pessoa do singular:





Nenhum comentário: