sexta-feira, 14 de junho de 2013

O Flecha - Henrique Schneider

O FLECHA
Henrique Schneider

Ninguém conseguia pegá-lo. Era um menino pequeno e frágil, pernas finas que mal lhe agüentavam a leveza, mas quando começava a correr não havia quem o alcançasse. No campinho de futebol, a bola nos pés, nem a botinadas conseguiam pará-lo quando abicava em direção ao gol. Mas não era de futebol que ele gostava. Gostava era de correr – correr mais rápido que todos os outros meninos. E tão mais rápido que, no bairro, ninguém o conhecia pelo nome; para todos os guris, reverenciando seu talento, ele era o Flecha. Ele ria tímido por dentro, porque o reconheciam naquilo que mais gostava. Um talento raro. O Flecha.

O pai disse que procurariam um clube para treinar, depurar aquele dom. Dom, dizia o pai – e o Flecha, menino, feliz.

Mas nem sempre as coisas são como devem ser.

Houve o dia em que a mãe do Flecha não voltou mais, ninguém nunca soube a razão, e o pai só atinava em ficar chorando pelos cantos, tristeza humilhada. Dali em diante, não se falou mais em clube para treinar, o Flecha gastando-se em corridas inúteis pelo pátio e vencendo sem sorriso toda a vizinhança, até que o pai um dia levantou os olhos derrotados do chão e enxergou no filho um homem quase pronto.

“Tem que trabalhar.” – disse antes de voltar ao seu mundo de esquecimentos.

Mas o Flecha só sabia correr. Foi tentar um emprego de cobrador de ônibus e nada. Sapateiro e também não. Quando tentou uma vaga de pedreiro e disse que sua especialidade era a corrida, riram em sua cara:

“Ninguém corre para carregar cimento.”

Nenhum emprego e as chances se indo, passando-se os anos e ninguém mais a admirá-lo, o clube que nunca chegou. O emprego que também não veio: ninguém precisava de um corredor.
********* 
Ele hoje anda meio sem rumo pelas ruas da cidade e, passados estes anos todos, ainda é só nisso que pensa – que se tivesse tido a chance, as coisas seriam melhores. Enquanto isso, percebe que, no outro lado da calçada, a velhinha olha as vitrines descuidada de sua bolsa.

Hora do Flecha entrar em ação, ele pensa.

VOCABULÁRIO
1) Reescreva as frases, substituindo os termos sublinhados por sinônimos. Faça as alterações necessárias:
a) "Ninguém conseguia pegá-lo. Era um menino pequeno e frágil."
b) "...nem a botinadas conseguiam pará-lo quando abicava em direção ao gol."
c) "para todos os guris, reverenciando seu talento, ele era o Flecha."
d) "O pai disse que procurariam um clube para treinar, depurar aquele dom."
e) "e o pai só atinava em ficar chorando pelos cantos,..."

INTERPRETAÇÃO
1) No primeiro parágrafo, o menino é descrito tanto física quanto psicologicamente. Como era o menino?
2) Pela descrição feita, o apelido era condizente com a pessoa? Comente sua resposta.
3) Justifique o apelido do menino com palavras e expressões retiradas do texto.
4) Como era caracterizada a habilidade do Flecha? Retire palavras ou expressões do texto que comprovem sua resposta.
5) Qual foi o fato que impediu que o Flecha aprimorasse sua habilidade? E que outras consequências ele gerou? Justifique sua resposta com elementos retirados do texto.
6) Explique a expressão "O Flecha gastando-se em corridas inúteis pelo pátio e vencendo sem sorriso toda a vizinhança..."
7) Qual expressão do texto indica que o menino estava se tornando homem? E qual foi a atitude do pai em relação a esta situação?
8) Quais foram os empregos aos quais ele se candidatou? Por que não conseguiu se adaptar a nenhum?
9) Pelo tipo de emprego que Flecha procurou, qual poderia ser sua escolaridade?
10) Já adulto, percebe-se que ele não está realizado. Justifique a afirmação com exemplos retirados do texto.
11) No início do texto, Flecha é caracterizado como um menino muito veloz. No final do texto, já adulto, continuava veloz, mas em que se transformou? Justifique sua resposta.
12) O texto é narrado em que pessoa? Retire dois exemplos que comprovem sua resposta.
13) Em relação ao texto:
a) Qual é a situação inicial?
b) Qual é a complicação que surge?
c) Qual é a dinâmica de ações dos personagens?
d) Qual é a resolução?
e) Qual é a situação final?

Fonte: Projeto Ler - Adaptado

Nenhum comentário: