domingo, 8 de agosto de 2010

VAI - Ivan Angelo

VAI
Ivan Angelo

Quer ir? Vai. Eu não vou segurar. Uma coisa que não dá certo é segurar uma pessoa contra a vontade, apelar pro lado emocional. De um jeito ou de outro isso vira contra a gente mais tarde: não fui porque você não deixou, ou: não fui porque você chorou. Sabe, existem umas harmonias em que é bom a gente não mexer. Estraga a música. Tem a hora dos violinos e tem a hora dos tambores.
Eu compreendo, compreendo perfeitamente. Olha, e até admito: você muda pra melhor. Fora de brincadeira, acho mesmo. Eu sei das minhas limitações, pensei muito nisso quando tava tentando te entender. É, é um defeito meu, considerar as pessoas em primeiro lugar. Concordo. Mas não tem mais jeito, eu sou assim. Paciência.
Sabe por que eu digo que você muda pra melhor? Ele faz tanta coisa melhor do que eu! Verdade. Tanta coisa que eu não aprendi por falta de tempo, de oportunidade - ora, pra que ficar me justificando? Não aprendi por falta de jeito, de talento, essa é que é a verdade. Eu sei ver as qualidades de uma pessoa, mesmo quando é um homem que vai roubar minha namorada. Roubar não: ganhar.
Compara. Ele dança muito bem, até chama a atenção. Campeão de natação, anda de bicicleta como um acrobata de circo, é bom de moto, sabe atirar, é fera no volante, caça e acha, monta a cavalo, mete o braço, pesca, veleja, mergulha... Não tem companhia melhor.
Eu danço mal, você sabe. Não consegui ultrapassar aquela fronteira larga entre a timidez e a ousadia, entre a discrição e o exibicionismo, que separa o mau e o bom bailarinos. Nunca fui muito além daquela fase em que uma amiga compadecida precisava sussurrar no meu ouvido: dois pra lá, dois pra cá.
Atravessar uma piscina eu atravesso, uma vez, duas talvez, mas três? Menino de cidade, e modesto, não tive córrego nem piscina. É com olhos invejosos que eu o vejo na água, afiado como se tivesse escamas. Moto? Meu Deus, quem sou eu. Pra ser bom nisso é preciso ter aquele ar de quem vai passar roncando na frente ou por cima de todo mundo - e esse ar ele tem.
O jeito como ele dirige um carro é humilhante. Já viajei com ele, encolhido e maravilhado. Você conhece o jeitão, essa coisa da velocidade. Não vou ter nunca aquela noção de tempo, a decisão, o domínio que ele tem. Cada um na sua. Eu troquei a volúpia de chegar rapidinho pelo prazer de estar a caminho. No amor também.
Aí é que eu tou perdido mesmo, no capítulo da coragem. Ele faz e acontece, já vi. Mas eu? Quantas vezes já levei desaforo pra casa. Levei e levo. Se um cachorro late pra mim na rua, vou lá e mordo ele? Eu não. Mudo de calçada.
Vai. Olha, não quero dizer que o que eu vou falar agora tenha importância pra você, que possa ter influído na sua decisão, mas ele tem mais dinheiro também, você sabe. Ele tem até, sabe?, aquele ar corajoso dos ricos, aquela confiança de entrar nos lugares. Eu não. Muito cristal me intimida. Os meus lugares são uns escondidos onde o garçom é amigo, o dono me confessa segredos, o cozinheiro acena lá do quadradinho e me reserva o melhor naco. É mais caloroso, mas não compensa o brilho, de jeito nenhum.
Ele é moderno, decidido. Num restaurante não te oferece primeiro a cadeira, não observa se você tá servida, não oferece mais vinho. Combina, não é?, com um tipo de feminismo. A mulher que se sente, peça o que quiser, sirva-se, chame o garçom quando precisar. Também não procura saber se você tá satisfeita. Eu sei que é assim que se usa agora. Até no amor. Já eu sou meio antigo, ultrapassado, gosto de umas cortesias.
Também não vou dizer que ele é melhor do que eu em tudo. Isso não. Eu sei por exemplo uns poemas de cor. Li alguns livros, sei fazer papagaio de papel, posso cozinhar uns dois ou três pratos com categoria, tenho certa paciência pra ouvir, sei uma ótima massagem pra dor nas costas, mastigo de boca fechada, levo jeito com crianças, conheço umas orquídeas, tenho facilidade pra descobrir onde colocar umas carícias, minhas camisas são lindas, sei umas coisas de cinema, não bato em mulher.
E não sou rancoroso. Leva a chave para o caso de querer voltar.

VOCABULÁRIO
1) Em relação às afirmativas abaixo, assinale a alternativa correta
I - Na frase “...apelar pro lado emocional”, o termo apelar pode ser substituído por “recorrer”, sem alterar o sentido da frase.
II – Na frase “Eu sei das minhas limitações ...”, o termo limitações pode ser substituído por “restrições” sem alterar o sentido da frase
III – “ anda de bicicleta como um acrobata de circo”, a palavra acrobata , na frase, significa “medo”. Se reescrevêssemos a frase , ela ficaria da seguinte forma “tem medo de andar de bicicleta como tem medo de circo”.
IV -  “ Não consegui ultrapassar aquela fronteira larga entre a timidez e a ousadia...” - a palavra ousadia pode ser substituída por “atrevimento” sem alterar o sentido da frase.
V - “ Menino de cidade, e modesto, não tive córrego nem piscina...” - a palavra modesto pode ser substituída por “humilde” sem alterar o sentido da frase e a palavra córrego pode ser substituída por “poço”, sem alterar o sentido da frase.

a) As alternativas I, II e IV estão corretas                                 d) Nenhuma alternativa está correta
b) As alternativas III e V estão corretas                                    e) As alternativas I, II e III estão corretas 
c) Todas as alternativas estão corretas

2) A alternativa que corresponde a correta substituição vocabular da palavra “cortesia” na frase “Já eu sou meio antigo, ultrapassado, gosto de umas cortesias.”
a) Já eu sou meio antigo, ultrapassado, gosto de umas tristezas.
b) Já eu sou meio antigo, ultrapassado, gosto de umas festas.
c) Já eu sou meio antigo, ultrapassado, gosto de umas  esmolas.
d) Já eu sou meio antigo, ultrapassado, gosto de umas piscinas.
e) Já eu sou meio antigo, ultrapassado, gosto de umas gentilezas.

INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
1) De acordo com o primeiro parágrafo do texto, é correto afirmar:
I – Conseguimos segurar a pessoa que amamos quando apelamos para o lado emocional.
II – O relacionamento desanda quando os violinos e tambores desafinam.
III – A namorada do narrador não foi porque ele não deixou.
IV – Se o relacionamento não está dando certo, é melhor não segurar a pessoa contra a sua vontade.
V – Dançar mal estraga o relacionamento.
a) As alternativas I, II, III e V estão corretas                                             d) Todas as alternativas estão corretas
b) As alternativas I, II, III estão corretas                                                    e) Nenhuma alternativa está correta
c) Somente a alternativa IV está correta

2) Em relação ao texto, é correto afirmar que:
I – O narrador enumera uma série de qualidades do seu adversário no amor, e afirma que não é melhor do que ele em nada.
II – O narrador se diz um cavalheiro, amante à moda antiga que gosta de fazer gentilezas à sua amada, enquanto seu adversário não, pois é um homem moderno, decidido.
III – O narrador se considera tímido, discreto.
IV – O narrador se classifica como rancoroso, por isso manda a sua amada embora.
V – O  narrador tem esperanças que sua amada volte, por isso deixa-lhe a chave.
a) Nenhuma alternativa está correta                             d) As alternativas I, II e III estão corretas
b) As alternativas IV e V estão corretas.                      e) As alternativas II, III e V estão corretas  
c) Todas as alternativas estão corretas.

ATIVIDADES GRAMATICAIS
1) Indique se as frases abaixo estão na voz ativa ou passiva. Em seguida, transforme-as e indique o agente da passiva em cada uma.
a) Ela chama o garçom. VOZ _______________________
 ____________________________________________________________________________________________

b) As qualidades das pessoas são vistas por nós. VOZ _____________________________
 ____________________________________________________________________________________________

c) O cavalheiro oferece a cadeira para a dama. VOZ ______________________________
 ____________________________________________________________________________________________

d) O carro foi dirigido por ela. VOZ _____________________________________
 ____________________________________________________________________________________________

e) O dono me confessa segredos. VOZ _________________________________
 ____________________________________________________________________________________________

2) Classifique os termos sublinhados em aposto ou vocativo.
a) O meu pior defeito é este: considerar as pessoas em primeiro lugar.    ______________________
b) O garçom, gerente do bar, oferece os melhores pratos._______________________
c) O narrador, menino da cidade, não tinha córrego nem piscina_______________________________________
d) Meu Deus, quem sou eu.___________________________
e) Amor, quer ir? __________________________________

3) Assinale a alternativa correta.
 “Ela influenciou sua decisão.” Se passarmos essa frase para a voz passiva teremos:
a) Sua decisão será influenciada por ela.                                     d) Ele influenciou sua decisão
b) Sua decisão será influenciada por ele.                                     e) Sua decisão foi influenciada por ele.        
c)  Sua decisão foi influenciada por ela.      

4) A alternativa que está incorretamente classificada sintaticamente é:
a)  Tem tanta coisa que eu não aprendi por falta de tempo. - Agente da passiva
b) Ei, você, volte! - Vocativo
c) O cozinheiro, meu amigo, me acena lá do fundo. - Aposto
d)  A moça, namorada do narrador, o deixou por outro. - Aposto
e) A decisão será tomada por ela. - Agente da Passiva

5 – Identifique o Agente da Passiva e, em seguida, passe as frases abaixo para a voz ativa: 
a) A mecha de cabelos foi amarrada com um laço preto, por Antônio. 

b) O texto foi postado por Fabrício Carpinejar, em seu site. 

c) Antônio doará os pertences de Elisa à caridade.

6 - Classifique os termos destacados como Aposto ou Vocativo:a) Filha, um dia esta casa será sua.
b) Manoel, português casado com minha prima, é um ótimo engenheiro.
c) Por favor, Mário, preste atenção na apresentação.
d) Foram eles, os meninos, que jogaram a bola no seu quintal ontem.
e) Amigos, vamos ao cinema hoje?
f) Lindos, nada de bagunça no refeitório!
g) A matemática, ciência exata que lida com números, parece ser o curso perfeito para você.

Um comentário:

Caroline Santana disse...

Amoooo este texto. Tinha num livro na época em que eu estudava. Sempre lia este texto com muito entusiasmo, ele é excelente.