quarta-feira, 12 de maio de 2010

TRABALHO DE LITERATURA - TURMAS 231 E 232 - 12/05

AUTOPSICOGRAFIA
O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.


E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.


E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.

QUESTÕES
1 - O poema apresenta como tema a criação artística, desenvolvendo-o em 3 planos ou em 3 níveis, demarcados pelas estrofes. De acordo com esta afirmação, relacione as colunas:
a) 1ª estrofe          (  ) trata do leitor e sua relação com o texto literário
b) 2ª estrofe          (  ) trata do jogo entre razão e emoção, existente no fenômeno literário
c) 3ª estrofe          (  ) trata do poeta e da criação literária

2 - Como você interpreta os versos "o poeta é um fingidor.. chega a fingir que é dor / a dor que deveras sente"?

3 - De acordo com a 2ª estrofe do texto:
a) A que dores se refere o texto no verso "Não as duas que ele teve"?

4 - Na última estrofe, são aproximados dois elementos que, historicamente, são a base da criação artística em todos os tempos.
a) Quais são esses elementos?

5 - O poema tem como título "Autopsicografia". O termo "psciografia" significa a relação mediúnica estabelecida entre dois seres humanos, um morto e um vivo, sendo este o meio pelo qual aquele escreve; o prefixo "auto" significa "por si mesmo". Levando em conta esses dados e considerando as relações entre realidade, imaginação ou fingimento observadas no poema, dê uma interpretação coerente ao título do texto.

Nenhum comentário: