quinta-feira, 29 de abril de 2010

TRABALHO DE LITERATURA - TURMA 221 - 25/04/2010 - CANTIGA DE ESCÁRNIO




CANTIGA DE ESCÁRNIO
Pero Larouco
De vós, senhor, quer’eu dizer verdade                                       Sobre vós, senhora, eu quero dizer verdade 
e nom ja sobr’[o] amor que vos ei:
                                              e não já sobre o amor que tenho por vós: 
senhor, bem [moor] é vossa torpicidade
                                  senhora, bem maior é vossa estupidez 
de quantas outras eno mundo sei;
                                              do que a de quantas outras conheço no mundo 
assi de fea come de maldade
                                                       tanto na feiúra quanto na maldade 
nom vos vence oje senom filha dum rei
                                     não vos vence hoje senão a filha de um rei 
[Eu] nom vos amo nem me perderei,
                                          Eu não vos amo nem me perderei 
u vos nom vir, por vós de soidade[...]
                                          de saudade por vós, quando não vos vir. 

mais pôs i prez e beldad’e loor                                                     mas pôs nela honra e beleza e mérito 
e falar mui bem, e riir melhor
                                                        e capacidade de falar bem, e de rir melhor 
que outra molher; desi é leal
                                                         que outra mulher também é muito leal 
muit’, e por esto nom sei oj’eu quem
                                          e por isto não sei hoje quem 
possa compridamente no seu bem
                                             possa cabalmente falar no seu próprio bem 
falar, ca nom á, tra-lo seu bem, al.
                                               pois não há outro bem, para além do seu. 


QUESTÕES
1) O FILÓSOFO RODRIGUES LAPA DESIGNA ESSA CANTIGA COMO ESCÁRNIO DE AMOR. RESPONDA ÀS QUESTÕES SEGUINTES, CONSIDERANDO ESSA DESIGNAÇÃO, QUE EXPLICA O CARÁTER PARÓDICO DA CANTIGA.
a) Que elementos próprios da cantiga do amor encontramos nessa paródia?
b) Em qual verso o trovador deixa clara a sua intenção satírica? Qual é a primeira palavra em que o elogio, que se espera em uma cantiga de amor, se transforma em insulto?


2) AGORA RELEIA A 1ª ESTROFE DO TEXTO 3 -  "CANTIGA DE AMOR", DE D. DINIS - E RESPONDA:
a) A que versos da cantiga de D. Dinis correspondem os 2 primeiros versos de Pero Larouco? Por quê?






Nenhum comentário: