terça-feira, 30 de setembro de 2014

TESTES DE ORTOGRAFIA E REDAÇÃO ELIMINAM CANDIDATOS A ESTÁGIO

Testes de ortografia e redação eliminam candidatos a estágio

Entre cursos com maior reprovação estão pedagogia, jornalismo e turismo.
Falta de leitura e hábitos gerados pela internet são fatores motivadores.
Marta Cavallini Do G1, em São Paulo 

Quem concorre a uma vaga de estágio precisa ficar atento ao conhecimento e domínio da língua portuguesa, pois os testes ortográficos e as redações são os que mais reprovam, de acordo com levantamento do Núcleo Brasileiro de Estágios (Nube). 

Atualmente, várias empresas estão com milhares de vagas abertas e os processos seletivos estão a todo vapor. Uma das etapas da seleção, o teste ortográfico, aplicado em forma de ditado, reprovou mais os estudantes de nível médio técnico de escolas públicas em 2012. Em relação aos universitários, a reprovação atinge mais os que estudam em instituições particulares e dos cursos de Pedagogia, Jornalismo e Matemática. Já na redação, a reprovação foi maior entre os estudantes de 15 a 18 anos e do ensino médio no ano passado. Entre os cursos de nível superior, a maior reprovação está entre os cursos de Turismo, Educação Física e Publicidade.

Os homens tiveram desempenho pior que as mulheres tanto no teste ortográfico quanto na redação.

Teste ortográfico
O estudo realizado durante todo o ano de 2012 com 7.219 estudantes revela que 2.081 candidatos (28,8%) não tiveram êxito no teste ortográfico e foram eliminados. O teste foi aplicado na forma de ditado, com 30 palavras do cotidiano, como "seiscentos", "escassez", "artificial", "sucesso", "licença" e "censura". 

Era considerado reprovado quem cometesse mais de sete erros. O índice de reprovação entre as mulheres ficou em 26,6%, e entre os homens, em 32%.

Os mais novos, com idade entre 14 e 18 anos, tiveram melhor desempenho, com 75% de aprovação, superando outras faixas como a de 19 a 25 anos (68,9%), 26 a 30 anos (69,2%) e acima de 30 anos (71,2%).

Alunos do ensino médio técnico tiveram o pior desempenho - em torno de 37% cometeram mais de 7 erros, seguidos dos estudantes do superior tecnólogo (30%), médio (29%) e superior (28,5%). Estudantes de nível médio e técnico de escola pública tiveram desempenho pior (30%) se comparados aos das instituições particulares (17%). Entre os universitários, cerca de 30% dos jovens de escolas privadas foram reprovados, contra apenas 19% das faculdades municipais, estaduais ou federais.

Os cursos com maior índice de reprovação são Pedagogia (50%), Jornalismo (49%), Matemática (41,4%), Psicologia (41%) e Ciências da Computação (40%). Com maior aprovação estão os cursos de Comércio Exterior (83%), Medicina Veterinária (82%), Relações Públicas (80%), Engenharia de Produção (80%), Nutrição (75,5%), Engenharia Elétrica (74,5%) e Direito (74%).

Redação
Pesquisa realizada durante todo o ano 2012 com 1.147 participantes mostra que as mulheres tiveram maior índice de aprovações na redação, com 85,5%. Entre os homens, o índice foi de 80,7%. A reprovação é maior entre os estudantes de 15 a 18 anos (27,5%) em relação a 19 a 25 anos (16,5%). No ensino médio, o índice de reprovação é de 26,1%, e no superior, de 17,4%. Os cursos de Direito (90%), Engenharia Civil (88%) e Engenharia Mecânica (86%) têm o maior índice de aprovação. Já os de Turismo (66%), Educação Física (33%) e Publicidade (27,5%) têm os piores índices.

Justificativas
"Impressiona o fato de os jovens, na fase da universidade, registrar erros graves na grafia. Apenas 25% dos brasileiros mantêm o hábito da leitura. O reflexo é percebido antes do ingresso no mercado de trabalho. Muitos ficam pelo caminho e são excluídos das chances de construírem uma carreira, por terem pouca intimidade com as palavras", diz Erick Sperduti, coordenador de recrutamento e seleção do Nube.

Para Sperduti, o bom desempenho das mulheres na redação pode ser explicado pelo fato de as candidatas se interessarem mais pela leitura, seja em romances ou revistas. “Assim, absorvem um maior repertório de palavras e estabelecem uma maior concordância no momento de elaborar uma redação".

Já em relação ao fraco desempenho dos estudantes do nível médio e técnico no teste ortográfico e na redação, Sperduti afirma que "o jovem ainda não possui uma variedade de vocabulário, dificultando a elaboração de um bom texto. Somado a esse fator, temos a falta de interesse em escrever. Navegar na web, ouvir rádio e ver televisão são mais atrativos para esse público", explica.

Com relação ao bom desempenho dos estudantes de 14 a 18 anos no teste ortográfico, o coordenador diz que esses estudantes têm mais contato com a língua portuguesa por ainda estarem no período de formação.

Entre as palavras grafadas de forma errada nos testes ortográficos, Sperduti cita rejeitar com “G” no lugar do “J”, flexível com “QUIC” no lugar do “X”, assessoria com um “S” apenas, licença com “S” no lugar do “C”, exceção sem o “C”, ressaltar com um “S” apenas e transição com “C” no lugar do “S”. “Dá a entender que não conhecem as palavras”, diz.

Sperduti considera que a única saída para reverter o mau desempenho é a prática da leitura e o hábito de escrever as ideias. "O desafio para os futuros profissionais não é apenas concluir o curso, mas mostrar domínio do nosso idioma", diz.

De acordo com o coordenador de recrutamento, é importante organizar os assuntos a serem redigidos. "Tudo precisa ter uma introdução, um desenvolvimento e uma conclusão, ou seja, um começo, meio e fim", diz Sperduti. Ele afirma ainda que não se deve escrever em 1ª pessoa, com expressões como "eu acho", "eu penso", "eu acredito". “Muitos são reprovados porque não releem o que escreveram, não revisam para corrigir os erros antes da entrega. A pressa, neste caso, só prejudica", diz.

Para o coordenador, a internet pode contribuir com os erros. “Abrevia-se muito as palavras, escreve-se com rapidez, quer fazer as coisas de forma rápida, não revisa, esse sentido de urgência pode prejudicar”, diz. 

Entre os principais erros nas redações estão ortografia e concordância, redações curtas, com menos de 15 linhas, fuga ao assunto proposto, texto sem começo, meio e fim. “Os candidatos têm de 40 a 50 minutos para fazer a redação, dá tempo de fazer e revisar, mas muitos terminam em 15 minutos”, diz.

De acordo com Sperduti, a seleção de estagiários se dá da seguinte forma: depois de selecionar os candidatos pelo perfil técnico, por meio de triagem no cadastro da entidade, as empresas geralmente aplicam testes presenciais, que são compostos da apresentação pessoal (o candidato fala dele mesmo, de seus dados pessoais, de suas competências do currículo e de suas características); atividade em grupo, com o desenvolvimento de case e apresentação – nessa etapa é feita a avaliação de competências; e em seguida testes de raciocínio lógico, ortográfico, redação e inglês.

O que mais reprova é o teste ortográfico e redação, seguido das atividades em grupo, segundo ele. 

“Muitos candidatos nem sabem para qual empresa estão concorrendo. Por outro lado, outros estão ali por causa da empresa, porque têm vontade de seguir carreira nela, e isso conta bastante”, diz Sperduti. 

Teste ortográfico do Nube para o curso de administração, cujo número de acertos foi de 5 (Foto: Reprodução)

ATIVIDADES
1) Qual o tema discutido no texto?

2) Qual a consequência de os jovens terem pouca intimidade com as palavras segundo o texto?

3) Por que os estudantes de 14 a 18 anos conseguiram ter um bom desempenho no teste ortográfico?

4) Por que as mulheres apresentam um melhor desempenho em relação aos homens?

5) “Impressiona o fato de os jovens na fase da universidade registrar erros graves na grafia”. Por que isso acontece?

6) O que mais reprova os candidatos a estágio?

7) Quais são os principais erros nas redações?

8)Quais são as soluções apresentadas por Sperdutí, coordenador de recrutamento e seleção do Nube (Núcleo Brasileiro de Estágios)?

9) Qual era o critério de reprovação no teste aplicado durante o ano de 2012 com 7.219 estudantes?

10) “Quem concorre a uma vaga de estágio precisa ficar atento ao conhecimento e domínio da língua portuguesa, pois os testes ortográficos e as redações são os que mais reprovam”
O vocábulo destacado estabelece, em relação ao período anterior, uma ideia de:
a) Conclusão
b) oposição
c) explicação
d) alternância
e) modo

11)  “O estudo realizado durante todo o ano de 2012 com 7.219 estudantes revela que 2.081 candidatos (28,8%) não tiveram êxito no teste ortográfico e foram eliminados”. A palavra estacada poderia ser substituída sem prejuízo de sentido por:
a) fracasso
b) insucesso
c) malogro
d) falha
e) auspiciosidade

12) “...não tiveram êxito no teste ortográfico  e foram eliminados”. O conectivo destacado estabelece uma relação de sentido com a oração anterior de:
a)oposição
b) explicação
c) adição
d) conclusão
e) alternância

13) “Os candidatos têm de 40 a 50 minutos para fazer a redação, dá tempo de fazer e revisar, mas muitos terminam em 15 minutos”. A conjunção sublinhada transmite a ideia de :
a) adição
b) adversidade
c) explicação
d) conclusão
e) alternância

14) “Por outro lado, outros estão ali por causa da empresa, porque têm vontade de seguir carreira nela, e isso conta bastante”, diz Sperduti”. O termo em negrito sugere a ideia de:
a) oposição
b) explicação
c) conclusão
d) alternância
e) adição

15) Qual é o desafio para os futuros candidatos?

16) Reescreva  dez palavras que o candidato escreveu inadequadamente.

17) Explique por que não ocorre crase no título do texto.

Fonte: Prof.ª Rosa Maria Ferreira Corrêa 

http://g1.globo.com/concursos-e-emprego/noticia/2013/08/testes-de-ortografia-e-redacao-eliminam-candidatos-estagio.html 


terça-feira, 16 de setembro de 2014

BRASIL, 2063

Desembaralhe as letras e descubra quais são as palavras que completam o texto abaixo:

Brasil, 2063
Stanislaw Ponte Preta



O filho perdera o ueefgto ______________ das sete para o glcoioé _____________ e passara o dia inteiro em casa, chateando. Agora pedia para ir brincar um pouco lá fora, antes do jantar, e a jovem senhora concordou. Ajeitou a camisa de iálopcts___________ antirradioativo do aogrto______________ e recomendou: -- Mas brinque aqui mesmo na errTa __________, hein?! Seu pai não gosta que você atravesse a xgiáala _____________ sozinho. 


Voltou para o quarto e sentou-se desanimada diante do heopsel­_____________. Depois começou a passar o removedor atômico no rosto. A folhinha eletrônica em cima da mesinha marcava a data: 30 de julho de 2063. Fazia trinta anos naquele dia e se sentia uma velha, apesar de sua bela êrinaapca______________. E pôs-se a pensar no nrepeset ____________ de váanrieros ______________ que o marido lhe dera: uma bonita rlivota_______________ superestereofônica tridimensional. "Não sei onde vamos parar com esses preços" -- disse para si mesma, pois sabia que o marido, pelo plano Creditex, dera dois bilhões de zusoercri___________ de entrada. 

Ouviu o videofone tocar e logo depois sentiu a presença do ooommdr _________invisível no quarto. A voz respeitosamente informou que era para ela. Mandou que o mroeeagpd _____________ligasse a tomada para o seu quarto e, enquanto sentia que ele se retirava, considerou que precisava chamar a atenção do mordomo para o bafo óoicclalo___________ que deixava no ar. Provavelmente dera outra vez para chupar dropes de ísuequ _________ durante as horas de trabalho. 

Agora a voz familiar de sua amiga Mariazinha dizia "alô" e logo depois sua cara gorda aparecia no ârgluoent____________ do videofone: -- Querida -- dizia ela --, eu te videofonei para dar os aarnsbép ______________ pelo dia de hoje. 

A outra agradeceu e ficaram a vorrasenc ____________ sobre essas coisas que as heulmesr ___________vêm conversando há usslcéo_______ sem o menor esmorecimento. De repente, a cara gorda se iluminou com um rrssooi______________: -- Você sabe que eu descobri uma decoradora formidável e baratíssima? -- E frisou: -- Baratíssima! -- E, vendo o interesse da amiga, contou que mandara restaurar o radar da sala de jantar e que a ddoocerara __________________fizera um trabalho que é um amor. 

-- Me dá o nçeeedro __________________-- pediu a aniversariante. 

-- Local X 120 HV, 985o andar. -- E como a amiga não se lembrasse onde era o Local X 120, esclareceu: -- Antiga çrapa ____________San Thiago Dantas. 

Conversaram ainda sobre problemas métsdoocis _____________________ e Mariazinha ficou sabendo que a iaamg __________estava sem oheiizcnare _______________. Mandara a antiga embora, porque dera para queimar as lluapís____________ do jantar a ponto de tornar a fçãeerio ____________ intragável. Tanto assim que iam aproveitar o aniversário para comer fora: -- Vamos à pílula-dançante do Country. -- Isso, naturalmente, se o marido chegasse em casa cedo, o que era improvável, pois o oóiehlcpret _____________dele estava na faoiinc ______________ e, na hora do *rush*, sabe como é, esses aviadores somem e não há um helicóptero de llauueg ___________para servir as sssaope ______________. 

Mariazinha ainda conversou um pouquinho. Contou o escândalo da véspera, quando um tpdaoedu _________________ se desentendera com o Corbisier Neto e puxara uma tsoalip _________atômica para alvejar o íoiopltc __________ petebista. Felizmente a uatrm __________ do deixa-disso impedira que o coitado fosse desintegrado no plenário. Em seguida Mariazinha se despediu. 

Desligando o videofone, voltou à sua toalete mais animada um pouco pela nosreavc ___________da outra. Mariazinha era uma mulher decidida, que nunca perdia o bom oumhr ________, apesar da tragédia de que fora amíitv ________: o ioardm _________ cometera "sexídio". Tomara um mdéioer ____________para virar mulher. 

E estava na sala a ler o mencora _____________de um escritor do século passado -- um clássico novecentista -- quando o marido chegou. Vinha esfalfado, com uma cara de quem fizera um esforço fora do comum. 

-- Já sei que não vamos à pílula-dançante -- disse ela. 

-- De jeito nenhum, minha filha -- respondeu o marido. -- Imagine que o réecbor _________ eletrônico do escritório enguiçou e eu passei o dia inteiro pensando sozinho. 

A mulher suspirou de desânimo e murmurou chateada: -- Com esse roevgno _________que anda aí, nada funciona direito no Brasil. 

VOCABULÁRIO
1) COMPLETE A CRUZADINHA COM SINÔNIMOS DAS PALAVRAS ABAIXO, OS QUAIS VOCÊ ENCONTRARÁ NO TEXTO:
a) Hálito:
b) Resmungou:
c) Banheiro:
d) Esgotado, cansado:
e) Estragou, quebrou:
f) Atingiu:










2) REESCREVA AS FRASES ABAIXO, SUBSTITUINDO O TERMO DESTACADO POR UM SINÔNIMO. FAÇA AS ALTERAÇÕES NECESSÁRIAS:
a) "[...] ficaram a conversar sobre essas coisas que as mulheres vêm conversando há séculos sem o menor esmorecimento."
b) "E, vendo o interesse da amiga, contou que mandara restaurar o radar da sala de jantar [...]"

ATIVIDADES  DE INTERPRETAÇÃO (Fonte: Andreia Garcia Faria)

1) Por que o menino ficou o dia inteiro em casa? Você acha que ele realmente teve motivo para isso ou havia uma outra solução? Comente:

2) Qual a preocupação da mãe quando o menino foi brincar fora de casa? O que você achou disso?

3) O que fez a mãe depois que o menino saiu para brincar? Que característica da mãe é ali revelada?

4) Que personagens participam da história? 

5) O que você pôde observar a respeito do nome dado à antiga Praça San Thiago Dantas?

6) O casal não iria mais à pílula-dançante. Qual foi a causa dessa desistência?

7) Qual foi a conclusão da esposa? Posicione-se sobre ela:

8) A família descrita no texto tem alguma semelhança coma família de hoje? Como você imagina a vida em 2063? 

9) Reflita sobre a seguinte passagem do texto: “—Imagine que o cérebro eletrônico enguiçou e eu passei o dia inteiro pensando sozinho!”

10) O que é mesmo uma crônica? 

11) Esse texto apresenta a família do futuro de uma maneira irônica. A ironia consiste em dizer o contrário daquilo que se pensa, provocando o humor. Neste caso, o humor surge do contraste entre a vida de uma família de classe média hoje e no futuro. Além do humor, percebe-se também uma intenção crítica. Na sua opinião, quais as críticas que faz o autor ao comportamento da classe média?

12) Que parte do texto você considerou engraçada, interessante, que tenha chamado mais a sua atenção? Justifique sua resposta:

ATIVIDADES GRAMATICAIS

1) Transcreva, do primeiro parágrafo, um substantivo derivado, indicando-lhe o primitivo:

2) Transcreva, do segundo parágrafo, 2 substantivos no grau diminutivo.

3) Encontre, no texto, um adjetivo no grau superlativo sintético e indique o substantivo ao qual ele se refere.

4) Reescreva a frase abaixo, substituindo a locução adjetiva destacada, pelo adjetivo correspondente:
a) "A mulher suspirou de desânimo e murmurou chateada:[...]

5) No 10º parágrafo, há um substantivo sobrecomum. Transcreva a frase em que ele aparece.

6) Transcreva, do texto, os adjetivos utilizados para caracterizar os substantivos abaixo:
a) senhora (1º parágrafo):
b) removedor (2º parágrafo):
c) aparência (2º parágrafo):
d) vitrola (2º parágrafo):
e) mordomo (3º parágrafo):
f) bafo (3º parágrafo):
g) voz (4º parágrafo):
h) cara (4º parágrafo):
i) decoradora (5º parágrafo):
j) problemas (8º parágrafo):
k) refeição (8º parágrafo):
l) pistola (9º parágrafo):
m) mulher (10º parágrafo):
n) humor (10º parágrafo):
o) cérebro (13º parágrafo):





terça-feira, 9 de setembro de 2014

A falácia do mundo justo e a culpabilização das vítimas - Atividades diversas

“O cara que divulgou as fotos tá errado, mas ninguém manda tirar foto pelada!” – a falácia do mundo justo e a culpabilização das vítimas

Ana Carolina Prado 



“É claro que o cara que estuprou é o culpado, mas _____ mulheres também ficam andando na rua de saia curta e em hora errada!”. “O hacker que roubou as fotos dessas celebridades nuas está errado, mas ninguém mandou tirar as fotos!”. “Se você trabalhar duro vai ser bem-sucedido, não importa quem você seja. Quem morreu pobre é porque não se esforçou o bastante.” Você sabe o que essas afirmações têm em comum?

Há algum tempo falei aqui sobre como os humanos têm diversas formas de se enganar em relação _____ ideia que têm de si mesmos, quase sempre para proteger sua autoestima ou para saciar sua vontade de estar sempre certos. Mas nosso cérebro não nos engana só em relação a como vemos a nós mesmos: temos também a tendência de nos iludir em relação aos outros e _____ vida em geral. E as frases acima exemplificam uma maneira como isso pode acontecer: por meio da falácia do mundo justo.

Por exemplo, embora os estupros raramente tenham qualquer coisa _ _ _ ver com o comportamento ou vestimenta da vítima e sejam normalmente cometidos por um conhecido e não por um estranho numa rua deserta, a maioria das campanhas de conscientização são voltadas para as mulheres, não para os homens – e trazem a absurda mensagem de “não faça algo que poderia levá-la _ _ _ ser violentada”.

Muitos estudos revelam outras formas de culpabilização da vítima. Em 1966, os pesquisadores Melvin Lerner e Carolyn Simmons pediram a 72 mulheres para assistir a uma atriz resolvendo problemas e recebendo choques elétricos (que eram de mentirinha, mas elas não sabiam) quando errava. Ao final do experimento, as mulheres tiveram de descrever a atriz – e muitas _ _ _ desvalorizaram, criticando seu caráter e aparência e dizendo que ela havia merecido os choques.

O mesmo aconteceu em questões relacionadas a dinheiro. Lerner fez outro experimento, desta vez com dois homens resolvendo quebra-cabeças. Ao final, um deles recebeu uma grande quantia de dinheiro. O prêmio foi totalmente aleatório, e isso foi dito aos observadores. Mesmo assim, quando tiveram de avaliar os dois homens, eles disseram que quem havia recebido o prêmio era mais inteligente, mais talentoso, melhor em resolver quebra-cabeças e mais produtivo.

De lá para cá, muita pesquisa foi feita e obteve resultados semelhantes. Em um estudo sobre bullying feito em 2010 na Universidade Linkoping, na Suécia, 42% dos adolescentes culparam a vítima por ser “um alvo fácil”.


Para os pesquisadores, esses julgamentos estão relacionados à noção – amplamente difundida na ficção – de que coisas boas acontecem a quem é bom e coisas más acontecem a quem merece. A tendência a acreditar que o mundo é assim é chamada, na psicologia, de falácia do mundo justo. “Não importa quão liberal ou conservador você seja, alguma noção dela entra na sua reação emocional quando ouve sobre o sofrimento dos outros”, diz o jornalista David McRaney no livro “Você não é tão esperto quanto pensa”. Ele acrescenta que, embora muitas pessoas não acreditem conscientemente em carma, no fundo ainda acreditam em alguma versão disso, adaptando o conceito para a sua própria cultura.


E dá para entender por que somos levados a pensar assim: viver em um mundo injusto e imprevisível é meio assustador e queremos nos sentir seguros e no controle. O problema é que crer cegamente nisso leva a ainda mais injustiças, como o julgamento de que pessoas pobres ou viciadas em drogas são vagabundas e têm mais é que se ferrar, que mulher de roupa curta merece ser maltratada ou que programas sociais são um desperdício de dinheiro e uma muleta para preguiçosos. Todas essas crenças são falaciosas porque partem do princípio de que o sistema em que vivemos é justo e cada um tem exatamente o que merece.

É importante notar que não estamos falando aqui sobre consequências de ações: se você não trabalha ou gasta todo o seu dinheiro com coisas inúteis, é bem provável que acabe sem grana nenhuma; se for escroto com todo mundo, é bem provável que tenha muita dificuldade em ter amigos de verdade – são escolhas ruins que costumam levar a resultados ruins. O problema é que, nesse caso, a falácia do mundo justo desconsidera os inúmeros outros fatores que influenciam quão bem-sucedida a pessoa vai ser, como o local onde ela nasceu, a situação socioeconômica da sua família, os estímulos e situações pelas quais passou ao longo da vida e ao acaso. Programas sociais e ações afirmativas não rompem o equilíbrio natural das coisas, como seus críticos podem crer – pelo contrário, a ideia é justamente minimizar os efeitos da injustiça social. Uma pessoa extremamente pobre pode virar a dona de uma empresa multimilionária, mas o esforço que vai ter de fazer para chegar lá é muito maior do que o esforço de alguém nascido em uma família rica que sempre teve acesso à melhor educação e a bons contatos. “Se olhar os excluídos e se questionar por que eles não conseguem sair da pobreza e ter um bom emprego como você, está cometendo a falácia do mundo justo. Está ignorando as bênçãos não merecidas da sua posição”, diz McRaney.

Em casos de abusos contra outras pessoas, como bullying ou estupro, a injustiça é ainda maior, pois eles nunca são justificados – e aí a falácia do mundo justo se mostra ainda mais perversa. Portanto, toda vez que você se sentir movido a dizer coisas como “O estuprador é quem está errado, é claro, mas…”, pare por aí. O que vem depois do “mas” é quase sempre fruto de uma tendência a ver o mundo de uma forma distorcida só para ele parecer menos injusto.

VOCABULÁRIO
1) PREENCHA A CRUZADINHA COM SINÔNIMOS DAS PALAVRAS ABAIXO, OS QUAIS VOCÊ ENCONTRARÁ NO TEXTO.
a) Satisfazer:
b) Enganar:
c) Casual, acidental:
d) Conduta:
e) Violação, desonra:
2) ASSINALE A ALTERNATIVA EM QUE A PALAVRA “CHOQUE” FOI USADA COM O MESMO SENTIDO DA FRASE “[...] e muitas a desvalorizaram, criticando seu caráter e aparência e dizendo que ela havia merecido os choques.”
a) Por sorte, o choque entre os veículos não deixou feridos.
b) Saber que a filha ficaria longe foi um choque para os pais.
c) Não é lenda, como muitos pensam: alguns peixes têm sim a capacidade de dar choques, alguns com alta voltagem.

3) ASSINALE A ALTERNATIVA EM QUE A PALAVRA “MULETA” NÃO TEM FOI EMPREGADA COM O MESMO SENTIDO DA FRASE “[...]ou que programas sociais são um desperdício de dinheiro e uma muleta para preguiçosos.”
a) “A justiça pode caminhar sozinha; a injustiça precisa sempre de muletas, de argumentos.” (Nicolai Iorga)
b) Quando surge algum problema, algumas pessoas criam asas. Outras, compram muletas...” (Harold Roupp)
c) Quebrou o pé? Compre um par de muletas.

4) ASSINALE A ALTERNATIVA ONDE O PREFIXO –DES NÃO ATRIBUI À PALAVRA UM SENTIDO DE NEGAÇÃO.
a) “[...]a falácia do mundo justo desconsidera os inúmeros outros fatores [...]”
b) “Ao final do experimento, as mulheres tiveram de descrever a atriz [...]”
c) “[...] as mulheres tiveram de descrever a atriz – e muitas a desvalorizaram, criticando seu caráter e aparência [...]”

5) ASSINALE A ALTERNATIVA ONDE O PREFIXO –IN ATRIBUI À PALAVRA UM SENTIDO DE NEGAÇÃO.
a) “[...]outros fatores que influenciam quão bem-sucedida a pessoa vai ser, [...]”
b) “[...]eles disseram que quem havia recebido o prêmio era mais inteligente, [...]
c) “[...]viver em um mundo injusto e imprevisível é meio assustador [...]”

INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
1) ANALISE COMO VERDADEIRAS OU FALSAS AS AFIRMAÇÕES ACERCA DO TEXTO:
(  ) A autora afirma que os estupros, normalmente, tem algo a ver com o comportamento ou a vestimenta da vítima.
( ) As campanhas de conscientização são, geralmente, voltadas para as mulheres, com mensagens orientando-as a não fazerem algo que possa leva-las a serem vítimas de estupro.
(  ) Segundo a autora, o ser humano acredita que as coisas boas acontecem a quem é bom e as coisas más, a quem merece.
(  ) Conforme o texto, escolhas ruins, não necessariamente, levam a resultados ruins.

2) O QUE, SEGUNDO O TEXTO, JUSTIFICA A FALÁCIA DO MUNDO JUSTO?

3) NA FRASE “Em casos de abusos contra outras pessoas, como bullying ou estupro, a injustiça é ainda maior, pois eles nunca são justificados – e aí a falácia do mundo justo se mostra ainda mais perversa.” EXPLIQUE POR QUE A AUTORA AFIRMA ISSO. (10º PARÁGRAFO)

ATIVIDADES GRAMATICAIS
1) EM RELAÇÃO AO EMPREGO DA CRASE, A ALTERNATIVA QUE PREENCHE CORRETAMENTE AS LACUNAS (____) PRESENTES NO TEXTO É:
a) as – a – a
b) as – à – à 
c) as – a – à 
d) às – à – à 
e) às – à – a 

2) EM RELAÇÃO AO EMPREGO DA CRASE, A ALTERNATIVA QUE PREENCHE CORRETAMENTE AS LACUNAS TRACEJADAS (_ _ _ _) PRESENTES NO TEXTO É:
a) a – a – a
b) à – à – à 
c) à – a – à 
d) à – a – a
e) a – à – a 

3) SE PASSARMOS A PALAVRA “CRENÇAS” PARA O SINGULAR, O NÚMERO DE TERMOS A SER ALTERADO NA FRASE “Todas essas crenças são falaciosas porque partem do princípio de que o sistema em que vivemos é justo e cada um tem exatamente o que merece.” É DE:
a) 7           b) 5           c) 3                   d) 9                       e) 6

4) SE USARMOS A PALAVRA “PRÊMIO” NO PLURAL, O NÚMERO DE TERMOS A SER ALTERADOS NA FRASE “O prêmio foi totalmente aleatório, e isso foi dito aos observadores.” É DE:
a) 4           b) 5           c) 3                  d) 6                         e) 7

5) EM RELAÇÃO AO PERÍODO COMPOSTO “Se você trabalhar duro vai ser bem-sucedido, não importa quem você seja.” O TERMO DESTACADO ESTABELECE UM VALOR DE:
a) Dúvida 
b) Causa 
c) finalidade 
d) Condição 
e) Consequência

6) ASSINALE A ALTERNATIVA EM QUE TENHA SIDO EMPREGADO UM VERBO NO IMPERATIVO NEGATIVO.
a) “[...]não importa quem você seja.” (1º parágrafo)
b) “Quem morreu pobre é porque não se esforçou o bastante.” (1º parágrafo)
c) “não faça algo que poderia levá-la a ser violentada”. (3º parágrafo)

7) ASSINALE A ALTERNATIVA EM QUE TENHA SIDO EMPREGADO UM VERBO NO IMPERATIVO AFIRMATIVO.
a) “Portanto, toda vez que você se sentir movido a dizer coisas como “O estuprador é quem está errado, é claro, mas…”, pare por aí.” (10º parágrafo)
b) “E dá para entender por que somos levados a pensar assim:[...]” (8º parágrafo)
c) “Ele acrescenta que, embora muitas pessoas não acreditem conscientemente em carma, no fundo ainda acreditam em alguma versão disso, [...]” (7º parágrafo)

8) REESCREVA A FRASE ABAIXO, PASSANDO OS VERBOS PARA O PRETÉRITO IMPERFEITO DO INDICATIVO. FAÇA AS ALTERAÇÕES NECESSÁRIAS:

“Mas nosso cérebro não nos engana só em relação a como vemos a nós mesmos: temos também a tendência de nos iludir em relação aos outros e à vida em geral.”

9) REESCREVA AS FRASES, SUBSTITUINDO AS LOCUÇÕES VERBAIS PELOS VERBOS PRINCIPAIS, CONJUGADOS NO TEMPO, MODO E PESSOA ADEQUADOS:

a) “[...] mas as mulheres também ficam andando na rua de saia curta e em hora errada!”

b) “É importante notar que não estamos falando aqui sobre consequências de ações:[...]”

c) “[...] mas o esforço que vai ter de fazer para chegar lá é muito maior [...]”

d) “Se olhar os excluídos e se questionar por que eles não conseguem sair da pobreza e ter um bom emprego como você, está cometendo a falácia do mundo justo. Está ignorando as bênçãos não merecidas da sua posição”[...]

e) “Programas sociais e ações afirmativas não rompem o equilíbrio natural das coisas, como seus críticos podem crer [...]”

10) EM RELAÇÃO ÀS AFIRMAÇÕES A SEGUIR, ASSINALE A ALTERNATIVA CORRETA:
I – ““Não importa quão liberal ou conservador você seja, alguma noção dela entra na sua reação emocional quando ouve sobre o sofrimento dos outros” - Há, nesta frase, 2 verbos pertencentes a 1ª conjugação – “importa” e “entra”; 2 pertencentes a 2ª conjugação – “conservador” e “seja”; e 2 verbos pertencentes a 3ª conjugação – “reação” e “ouve”.
II – “Quem morreu pobre é porque não se esforçou o bastante.” – Os verbos destacados estão, respectivamente, conjugados no pretérito perfeito do indicativo, presente do indicativo e pretérito imperfeito do indicativo.
III – “42% dos adolescentes culparam a vítima por ser “um alvo fácil” [...]”. – Se reescrevermos a frase empregando o Futuro do Presente do Indicativo, a redação da mesma fica: “42% dos adolescentes culparão a vítima por ser “um alvo fácil” [...]”.

a) Todas as alternativas estão corretas.
b) Apenas a alternativa III está correta.
c) Nenhuma alternativa está correta.
d) As alternativas I e III estão corretas.
e) As alternativas II e III estão corretas.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

MOTIVO (Cecília Meirelles) e SONETO DO AMOR MAIOR (Vinícius de Moraes)

TEXTO 1
MOTIVO

Cecília Meirelles

Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta

Irmão das coisas fugidias;
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico
ou se passo

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada
E um dia sei que estarei mudo:
- Mais nada

VOCABULÁRIO
Fugidias:
fugazes, efêmeras, passageiras.
1) Segundo o eu lírico, o que define um poeta? 

2) Nos versos a seguir, porque é uma conjunção explicativa. De que maneira ela retoma o sentido do título do poema? 

3) De que maneira a expressão “fugidias”, associada à existência do “instante”, define o que é “ser poeta” para o eu lírico? 

4) Qual o tempo e qual o modo em que estão todos os verbos do poema com exceção de “estarei”? 

5) Antítese é uma figura de linguagem (figuras de estilo) que consiste na exposição de ideias opostas. Ocorre quando há uma aproximação de palavras ou expressões de sentidos opostos. Ex: Amor / ódio; guerra/ paz. Na terceira estrofe, o eu lírico apresenta várias antíteses. Quais são elas e o que simbolizam no poema? 

6) Essas antíteses encaminham a conclusão do poema: a única certeza que o eu lírico tem sobre si mesmo. Qual é ela? 

TEXTO 2
SONETO DO AMOR MAIOR

Vinícius de Moraes
Maior amor nem mais estranho existe
Que o meu, que não sossega a coisa amada
E quando a sente alegre, fica triste
E se a vê descontente, dá risada.

E que só fica em paz se lhe resiste
O amado coração, e que se agrada
Mais da eterna aventura em que persiste
Que de uma vida mal-aventurada.

Louco amor meu, que quando toca, fere
E quando fere vibra, mas prefere
Ferir a fenecer - e vive a esmo

Fiel à sua lei de cada instante
Desassombrado, doido, delirante
Numa paixão de tudo e de si mesmo.

VOCABULÁRIO
A ESMO:
sem rumo, perdido
FENECER: tornar-se extinto, acabar.
7) O eu lírico afirma que seu amor é “estranho”. Por quê? Quais comportamentos comprovam essa estranheza? 

8) O que essas imagens sugerem sobre o sentimento amoroso do eu lírico? 

9) Transcreva, das duas últimas estrofes, outras palavras e expressões que caracterizam o sentimento vivido pelo eu lírico. 

10) O amor deseja a resistência do coração? Por quê? 

11) Na terceira estrofe, as ações do amor explicitam as suas leis. Por que o amor deve ser fiel a estas leis? 

12) As ações definem o sentimento do eu lírico como o “amor maior”. Explique o que seria, no poema, um “amor menor”. 

Fonte: Adaptado de
ABAURRE, Maria Luiza M. ABAURRE, Maria Bernadete M. PONTARA, Marcela. PORTUGUÊS - CONTEXTO, INTERLOCUÇÃO E SENTIDO. Vol. 3. São Paulo: Moderna, 2008.


NOVA REFORMA ORTOGRÁFICA

Texto 1 - Comissão do Senado estuda abolir “ç”, “ch”e “ss” da língua portuguesa
Grupo técnico pretende alterar a nova reforma ortográfica, tornando a escrita mais próxima da fala

Por Bruna Scirea

Mal deu tempo para entender o que o último acordo ortográfico fez com o acento de voo, com o hífen de antissocial e com o trema de cinquenta, e uma nova proposta, ainda mais radical, já está em elaboração pela Comissão de Educação do Senado. 

A partir de 2016, se entrar em vigor o projeto que pretende fasilitar o ensino e a aprendizajem da língua portugeza, vosê poderá ser obrigado a escrever asim(leia outros exemplos abaixo). 

As (mais recentes) novas regras para o português devem ser apresentadas pelo grupo técnico da Comissão de Educação até 12 de setembro. Elas podem alterar as mudanças que tinham obrigatoriedade prevista para o fim de 2012, foram prorrogadas por quatro anos, e que, até agora, quase ninguém aprendeu direito. Além de reduzir o número de regras e exceções na língua, o objetivo da comissão é expandir o debate com a comunidade, especialistas e países que falam o português. 

— O projeto estava entrando em vigor sem ter sido discutido no Brasil. A Academia Brasileira de Letras (ABL) estava fazendo uma reforma sozinha, de um jeito muito conservador. Então pedimos o adiamento do prazo de obrigatoriedade e montamos uma comissão para propor novas regras, simplificar a ortografia e, principalmente, padronizar a gramática com outros países — afirma o presidente da comissão, senador Cyro Miranda (PSDB-GO)

Como senador não palpita sobre a presença ou a ausência de "cê-cedilha, hagá ou ceagá", dois especialistas foram chamados para coordenar o grupo técnico: os professores de português Pasquale Cipro Neto e Ernani Pimentel, responsável pelo site simplificandoaortografia.com — que fomenta um movimento para "substituir o decorar pelo entender" e reúne pitacos de quem se interessar pelo assunto. 

— Por enquanto estamos juntando sugestões. Pretendemos redigir o conjunto de regras e apresentar entre 10 e 12 de setembro, no Simpósio Internacional Linguístico-Ortográfico da Língua Portuguesa, em Brasília. Esse projeto será levado ao Senado, que irá realizar uma audiência pública para ouvir todos que quiserem contribuir — diz Pimentel. 

A polêmica não deverá ser pequena. Para a doutora em Filologia Românica e professora do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Unisinos, Dorotea Kersch, a proposta é um "absurdo, a legítima falta de ter o que fazer". 

— Não existe língua fácil ou língua difícil. Cada língua tem sua história e suas especificidades. Não é simplificando a ortografia que resolvemos os graves problemas de leitura e escrita de nossos alunos, que são escancarados a cada avaliação sistemática. Quem sabe os senadores se preocupam com coisas que realmente impactam o ensino, como salário de professores, ou uma política de ensino de língua adequada às diferentes realidades do Brasil — rebate. 

Conforme o senador Miranda, o objetivo é ter a versão final do projeto pronta até maio de 2015 para que seja colocada em votação e possa entrar em vigor no início de 2016. Até lá (e se chegar lá), o processo é longo, e não são poucos os obstáculos. No caminho, ainda estão a resistência que mudanças radicais provocam, a morosidade com que o assunto é levado no Brasil — o último acordo ortográfico proposto foi discutido na década 1970, assinado em 1990 e aplicado a partir de 2008 — e a necessidade de se convencer todos os países a aprovarem a nova forma de se escrever português. 

O que mudou com o acordo de 2008: 

O último acordo acabou com o trema, alterou 0,5% das palavras utilizadas no Brasil (1,6% da grafia usada em Portugal) e incorporou as letras "k", "w" e "y" ao alfabeto. O acento agudo desapareceu nos ditongos abertos "ei" e "oi" em palavras como "idéia" e jibóia" e nas palavras paroxítonas com "i" e "u" tônicos, quando precedidos de ditongo em palavras como "feiúra". O acento circunflexo deixou de ser usado em palavras com duplo "o", como "enjôo", e na conjugação verbal com duplo "e", como vêem e lêem. O temido hífen desapareceu em palavras em que o segundo elemento comece com "r" e "s", como "anti-rábico" e "anti-semita" — cuja grafia passou a ser "antirrábico" e "antissemita". O hífen foi mantido quando o prefixo termina em "r", como "inter-racial". 

* Zero Hora 

Texto 2 - ELES ÇÓ PODIM STAR DI ÇACANAGIM. (Tico Santa Cruz) 

Porque é mais fácil EMBURRECER uma população do que oferecer condições para que ela se desenvolva intelectualmente, existe uma proposta RIDÍCULA no Senado para fazer mais mudanças ortográficas na "Língua Brasileira". Ao invés de ensinar da forma correta, obviamente respeitando uma ou outra alteração, nossos SENADORES estão estudando algumas modificações ridículas. 

A Justificativa? 

Abro aspas: " Quase ninguém sabe a ortografia em nosso País. Encontrar quem saiba usar hífen, j, g, x, ch, s, z, é algo raro. Até professores precisam recorrer a dicionários para confirmar como se escreve uma palavra ou outra, de tão complexo que é o nosso sistema.” (Ernani Pimentel) 

Ernani Pimentel - é professor e coordenador - membro da comissão de "Educação" do Senado. 

Por sua vez, a proposta é defendida pelo SENADOR CYRO MIRANDA - PSDB. 

Quer saber o que eles querem fazer? 

Dentre as mudanças propostas, as que mais chamam atenção é a extinção da letra “h” no início de palavras e a troca do fonema “ch” pela letra “x”. 

Reforma ortográfica: o que mudaria? Veja abaixo uma lista de palavras que sofreriam mudanças com a nova reforma ortográfica proposta, fornecida pelo site do Senado: 

Homem – Omem
Hotel – Otel
Hoje – Oje
Humor – Umor
Harpia – Arpia
Harpa – Arpa
Guerra – Gerra
Guitarra – Gitarra
Chá – Xá
Flecha – Flexa
Macho – Maxo
Analisar – Analizar
Blusa – Bluza
Exemplo – Ezemplo
Exuberante – Ezuberante
Êxito – Êzito
Exigente – Ezigente
Exame – Ezame
Executar – Ezecutar
Existir – Ezistir
Amassar – Amasar
Açúcar – Asúcar
Moço – Moso
Pescoço – Pescoso
Auxílio – Ausílio
Asa – Aza
Brasília – Brazília
Base – Baze
Paralisar – Paralizar
Avisar – Avizar
Música – Múzica
Meses – Mezes
Deuses – Deuzes
Pegajoso – Pegajozo


VOCABULÁRIO 
1) ENCONTRE, NOS TEXTOS 1 e 2, SINÔNIMOS PARA AS PALAVRAS ABAIXO: 
a) Discussão: 
b) Uniformizar, igualar: 
c) Diminuir: 
d) Modificar: 
e) Opinar: 
f) Provoca: 
g) Escrever: 
h) Impressionam, abalam: 
i) Lentidão: 
j) Difícil, complicado: 

INTERPRETAÇÃO TEXTUAL
1) DENTRE OS OBJETIVOS DA NOVA REFORMA ORTOGRÁFICA LISTADOS NOS TEXTOS, É CORRETO AFIRMAR QUE:
( ) O novo projeto pretende facilitar o ensino e a aprendizagem da Língua Portuguesa.
( ) Emburrecer a população.
( ) Reduzir o número de palavras e de regras.
( ) Simplificar a ortografia.
a) V – V – F – F                                            d) V – F – F – F 
b) V – F – F – V                                            e) F – F – F – F 
c) V – V – V – V 

2) QUAL É A JUSTIFICATIVA DADA PARA A NOVA REFORMA ORTOGRÁFICA, SEGUNDO O TEXTO 2?

3) NO TEXTO 1, QUAL É O ARGUMENTO UTILIZADO PELA doutora em Filologia Românica e professora do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Unisinos, Dorotea Kersch, PARA CRITICAR O PROJETO?

ATIVIDADES GRAMATICAIS 
1) REESCREVA AS FRASES ABAIXO SUBSTITUINDO AS EXPRESSÕES DESTACADAS, PELOS PRONOMES ADEQUADOS:
a) “Elas podem alterar as mudanças [...]”,

b) “[...] montamos uma comissão para propor novas regras, [...]”

c) “simplificar a ortografia [...]” 

d) “[...] o objetivo da comissão é expandir o debate,[...]”

e) “[...] dois especialistas foram chamados para coordenar o grupo técnico: [...]”

2) INDIQUE A QUE TERMOS SE REFEREM OS PRONOMES RELATIVOS DESTACADOS NAS FRASES ABAIXO:
a) “[...] se entrar em vigor o projeto que pretende fasilitar o ensino e a aprendizajem da língua portugeza, [...]”

b) “[...] responsável pelo site simplificandoaortografia.comque fomenta um movimento para "substituir o decorar pelo entender [...]”

c) “Esse projeto será levado ao Senado, que irá realizar uma audiência pública para ouvir todos que quiserem contribuir — diz Pimentel.”

d) “[...] resolvemos os graves problemas de leitura e escrita de nossos alunos, que são escancarados a cada avaliação sistemática.”

e) “Quem sabe os senadores se preocupam com coisas que realmente impactam o ensino, como salário de professores,[...]”

3) OBSERVE O PRONOME DESTACADO NA FRASE ABAIXO E RESPONDA A QUE TERMO(S) OU EXPRESSÃO(ÕES) ELE FAZ REFERÊNCIA NO TEXTO:
a) “Elas podem alterar as mudanças que tinham obrigatoriedade prevista para o fim de 2012,[...]” (Texto 1 – 3º parágrafo)

4) “Não é simplificando a ortografia que (nós) resolvemos os graves problemas de leitura e escrita de nossos alunos, [...]” NA REDAÇÃO DESSA FRASE, FORAM EMPREGADOS OS PRONOMES ”NÓS”(pronome pessoal reto) E “NOSSOS”(pronome possessivo), AMBOS NA 1ª PESSOA DO PLURAL. REESCREVA A FRASE, FAZENDO AS ALTERAÇÕES NECESSÁRIAS AO EMPREGAR:

a) Os pronomes relativos a 3ª pessoa do plural:
b) Os pronomes relativos a 1ª pessoa do singular:

5) SUBLINHE OS ADJUNTOS ADVERBIAIS PRESENTES NAS ORAÇÕES ABAIXO E INDIQUE A CIRCUNSTÂNCIA POR ELES EXPRESSA:
a) “A partir de 2016, se entrar em vigor o projeto que pretende fasilitar o ensino e a aprendizajem da língua portugeza, vosê poderá ser obrigado a escrever asim(leia outros exemplos abaixo).”

b) “O projeto estava entrando em vigor sem ter sido discutido no Brasil.”

c) “Então pedimos o adiamento do prazo de obrigatoriedade e montamos uma comissão para propor novas regras,”

d) “Até professores precisam recorrer a dicionários para confirmar como se escreve uma palavra ou outra, de tão complexo que é o nosso sistema.”

6) SUBLINHE OS APOSTOS NAS ORAÇÕES ABAIXO:
a) “dois especialistas foram chamados para coordenar o grupo técnico: os professores de português Pasquale Cipro Neto e Ernani Pimentel, responsável pelo site simplificandoaortografia.com [...]”

b) “Para a doutora em Filologia Românica e professora do Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da Unisinos, Dorotea Kersch, a proposta é um "absurdo, a legítima falta de ter o que fazer".”

7) CLASSIFIQUE OS TERMOS DESTACADOS NAS ORAÇÕES ABAIXO EM OD, OI, CN OU AA:
a) “Quem sabe os senadores se preocupam com coisas que realmente impactam o ensino,[...]”

b) “Não é simplificando a ortografia que resolvemos os graves problemas de leitura e escrita de nossos alunos,

8) LEIA A CHARGE ABAIXO E RESPONDA ÀS QUESTÕES:

a) Em que consiste o humor da charge?                                                                                   
b) Qual  o pronome que conjuga corretamente o verbo “falo” (1º balão)? Como ele se classifica?

c) Há, na charge, um adjunto adverbial. Transcreva-o e
classifique-o:

                          



quinta-feira, 21 de agosto de 2014

O TIGRE, O MENINO E O TRÂNSITO
Geraldo Simões

Como um acidente pode explicar o comportamento humano

O Brasil ficou chocado nos últimos dias de julho quando um garoto de 11 anos teve o braço direito dilacerado por um tigre. O "acidente" ocorreu em um zoológico de Cascavel, PR, quando o garoto, acompanhado do pai, pulou uma cerca de proteção, ignorou os avisos de manter-se afastado e provocou primeiro um leão e depois o tigre. O desfecho todo mundo viu: teve o braço amputado na altura do ombro e terá a vida inteira para refletir sobre esse ato "corajoso". Esse acidente é exemplar, em todos os sentidos.
Quem acompanha minhas colunas sabe que há décadas eu insisto no declínio na qualidade do ser humano em sociedade. Especialmente no Brasil, país que parece caminhar ladeira abaixo no campo das relações humanas.
Felizmente alguém filmou e mostrou uma imagem que retrata o que vem acontecendo em uma sociedade desacostumada a respeitar uma autoridade. O garoto ficou por cerca de seis minutos atiçando dois felinos de grande porte, conhecidos por qualquer ser vivente como predadores. Até as pedras sabem que esses animais se alimentam de outros animais desde que o mundo é mundo.
Imediatamente após a divulgação das imagens começaram os julgamentos, principalmente os do "contra" e "a favor", seja do tigre, do garoto, do pai, do zoológico, de Deus etc. No atual modus operandi social de palpitar sobre tudo houve a esperada distribuição de culpa para todos os envolvidos, alguns até tentando amenizar o lado do garoto sob a alegação de que era "incapaz" de avaliar os riscos. Será? Com 11 anos você não sabe a diferença de um gato para um tigre?
Deixando um pouco o tigre de lado, vamos lembrar um pouco das histórias da Bíblia. Sem a menor conotação católico-cristã, mas apenas como exemplo. Muita gente atribui o pecado original ao sexo, fazendo uma analogia direta da mordida na maçã com rala e rola entre Adão e Eva. Mas Deus não poderia castigar pelo sexo, senão inviabilizaria a reprodução humana e jogaria por terra o famoso "crescei e multiplicai". 
O pecado original que condenou Eva e seu amasio ao mundo terreno foi a DESOBEDIÊNCIA. Deus deixou bem claro: não coma a fruta dessa árvore! E quando virou as costas lá foi ela e nhoc! Não tinha uma placa na macieira do tipo "fique longe, não coma". Por trás da desobediência está o conceito que quero chegar: o desrespeito!
Voltando ao zoológico, qual o padrão de comportamento dos visitantes: enfiar o braço na jaula ou manter-se afastado? Se uma criança violou o padrão é preciso olhar para esse caso isolado e tentar entender melhor de onde vem o comportamento tão prepotente.
Hoje em dia existe uma enorme confusão aqui em terras brasileiras com relação à educação. Também já escrevi sobre isso. E é um tal de pais entregarem seus filhos às escolas na crença cega de que o pimpolho sairá de lá um lorde inglês e com conhecimento de filósofo alemão. Mas em casa o filho faz o que quer, passa o dia no videogame, desobedece aos pais e eventualmente despreza a autoridade dos empregados.
Educação é aquele conjunto de regras transmitidos de pais para filhos como uma carga genética. O que a escola transmite é conhecimento. Portanto, escola não educa, quem educa é o convívio familiar. Já defendi mais de um milhão de vezes a mudança do nome de ministério da Educação para ministério do Ensino.
Pergunto, que tipo de pai pode gerar um filho tão incapaz de entender a regra mais elementar, bíblica e basilar da educação que é a obediência? Que tipo de exemplo esse garoto tem em casa para ignorar tão descaradamente os perigos que envolvem o enfrentamento de um animal feroz? Uma criança que atiça descaradamente um animal selvagem como o tigre respeita seus professores? Obedece a seus pais?
É o reflexo da falta de cuidado na educação, não da escola, mas aquela da formação do caráter. Quem enfrenta um tigre não é corajoso - como escreveram alguns - ou simplesmente desobediente?
Chamou-me a atenção o comentário de vários jornalistas que reforçaram o fato de no momento do acidente não ter nenhum vigia, embora o zoológico tenha se defendido alegando que a área é monitorada por quatro fiscais.
Ora, jornalistas são pessoas esclarecidas, viajam e normalmente voltam do exterior sempre com uma história de civilidade na ponta da língua. Ficam impressionados que nos museus americanos o visitante deposita o valor em uma caixa que fica ali, ao alcance de qualquer um, mas ninguém pega. Contam - impressionados - que na Áustria as padarias deixam o leite fora e as pessoas pegam e depositam as moedas em um pote, sem ninguém vigiando.
Mas cobram o fato de naquele local do zoo não haver um vigilante. É ISTO que quero chamar a atenção: educação não é um comportamento expresso diante de fiscalização, o nome disso é obediência. Educação é o comportamento do indivíduo quando não tem NINGUÉM olhando!
Por isso a Prefeitura de SP instalou mais uma centena de radares e câmeras de vigilância, porque o motorista só consegue se manter educado sob constante fiscalização. Porque não foi educado. Os motoristas/motociclistas mal e porcamente foram instruídos, quando foram... E os ciclistas nem isso!
Pela ótica do jornalismo sensacionalista podemos perder a esperança em trânsito solidário sem que haja uma fiscalização opressiva e constante, como no zoológico. Não basta uma placa de proibido estacionar, precisa ter um fiscal. Não basta investir em passarela ou ciclovia, tem de fiscalizar. Não basta avisar que o leão é bravo, precisa colocar o braço lá dentro!

VOCABULÁRIO
1) ENCONTRE, NO TEXTO, SINÔNIMOS PARA AS PALAVRAS ABAIXO:
a) Cortado, rasgado: _______________________
b) Opinar: _______________________________
c) Suavizar: ______________________________
d) Desconsiderou: _______________________________
e) Desobedeceu:________________________

2) ASSINALE A ALTERNATIVA ONDE A PALAVRA “CHOCAR” APRESENTA O MESMO SENTIDO COM QUE FOI EMPREGADO NA FRASE: “O Brasil ficou chocado nos últimos dias de julho quando um garoto de 11 anos teve o braço direito dilacerado por um tigre.”
(      ) "Não devemos ter medo dos confrontos. Até os planetas se chocam e do caos nascem as estrelas." (Charles Chaplin)
(    ) “Se não era amor, era da mesma família. Pois sobrou o que sobra dos corações abandonados. A carência. A saudade. A mágoa. Um quase desespero, uma espécie de avião em queda que a gente sabe que vai se estabilizar, só não se sabe se vai ser antes ou depois de se chocar contra o solo.” (Martha Medeiros)
(     )As pessoas estão tão acostumadas a ouvir mentiras, que sinceridade demais choca e faz com que você pareça arrogante.” (Jô Soares)

3) SABENDO QUE OS PREFIXOS –DES E –IN ATRIBUEM À PALAVRA UM SENTIDO DE NEGAÇÃO, RETIRE, DO TEXTO, 1 PALAVRA COM O PREFIXO –IN E 3 COM O PREFIXO –DES, QUE EXEMPLIFIQUEM ISSO:

INTERPRETAÇÃO TEXTUAL

1)       ANALISE AS AFIRMAÇÕES ABAIXO E ASSINALE A ALTERNATIVA CORRETA:
I – Segundo o texto, um menino teve o braço esquerdo dilacerado por um tigre, num zoológico do Paraná.
II – O texto deixa claro que um garoto de 11 anos ainda não é capaz de avaliar os riscos que uma situação como a de atiçar um animal feroz traz.
III – Pode-se depreender, a partir da leitura do texto, que os brasileiros têm o péssimo hábito de respeitar normas ou leis, somente quando são vigiados ou fiscalizados.
IV – O autor usa como exemplo a história bíblica de Adão e Eva para explicar que o grande problema do ser humano, inclusive do garoto que teve o braço amputado, é a falta de fé.
V – Segundo o autor, a educação é um comportamento que não exige fiscalização, já a obediência, sim.
 a) Todas as alternativas estão corretas.                             
b) Nenhuma alternativa está correta.                                 
c) As alternativas I, II e III estão corretas.
d) As alternativas III e V estão corretas.
e) As alternativas IV e V estão corretas.

2) Por que o autor emprega as palavras acidente e corajoso entre aspas?


3) qual é, segundo o autor,  o conceito de educação?


ATIVIDADES GRAMATICAIS
1) REESCREVA AS FRASES A SEGUIR, SUBSTITUINDO AS EXPRESSÕES DESTACADAS PELOS PRONOMES ADEQUADOS:
a) “O garoto ficou por cerca de seis minutos atiçando dois felinos de grande porte [...]”
b) “[...] gerar um filho [...]”
c) “[...] o visitante deposita o valor em uma caixa [...]”
d) “[...] uma sociedade desacostumada a respeitar uma autoridade.” 
e) “[...] incapaz de entender a regra [...]”
f) “[...] podemos perder a esperança [...]”
g) “[...] era "incapaz" de avaliar os riscos.[...]”

2) INDIQUE OS TERMOS AOS QUAIS SE REFEREM OS PRONOMES RELATIVOS DESTACADOS NAS FRASES ABAIXO:
a) “[...] país que parece caminhar ladeira abaixo no campo das relações humanas.[...]
b) “Por trás da desobediência está o conceito que quero chegar: o desrespeito!”
c) “Uma criança que atiça descaradamente um animal selvagem como o tigre respeita seus professores?”

3) NA FRASE: “Quem acompanha minhas colunas sabe que há décadas eu insisto no declínio na qualidade do ser humano em sociedade.” (2º parágrafo), O PRONOME POSSESSIVO DESTACADO INDICA QUE AS COLUNAS SÃO DE QUEM?

4) “O garoto ficou por cerca de seis minutos atiçando dois felinos de grande porte [...]” (3º parágrafo). O TERMO DESTACADO PODE SER SUBSTITUÍDO PELO PRONOME PESSOA RETO – 3ª PESSOA DO SINGULAR – ELE – FAZENDO COM QUE A REDAÇÃO DA FRASE FIQUE: “Ele ficou por cerca de seis minutos atiçando dois felinos de grande porte [...]” REESCREVA A FRASE, FAZENDO AS ALTERAÇÕES NECESSÁRIAS AO EMPREGAR:

a) O pronome pessoal reto relativo a 1ª pessoa do plural: 
b) O pronome pessoal reto relativo a 1ª pessoa do singular: 
c) O pronome pessoal reto relativo a 3ª pessoa do plural: 

5) OBSERVE OS PRONOMES DESTACADOS NAS FRASES ABAIXO E RESPONDA A QUE TERMOS OU EXPRESSÕES ELES FAZEM REFERÊNCIA NO TEXTO:
a) “Também já escrevi sobre isso.” (8º parágrafo): 
b) o nome disso é obediência.” (14º parágrafo):